Enem 2021: região de Campinas tem redução de 47% em inscrições e especialista vê reflexos da pandemia e de polêmicas


Primeiro dia de exame, neste domingo (21), reúne 90 questões e uma redação. Dados do Inep mostram que aplicação de provas em 19 cidades da região deve reunir 32,3 mil candidatos. Provas do Enem 2021 começam neste domingo
Reprodução/Fantástico
O número de candidatos da região de Campinas (SP) inscritos para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 diminuiu 47,2% no comparativo com a edição anterior, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). A primeira prova do processo seletivo será aplicada para 32,3 mil estudantes na tarde deste domingo (21), e uma especialista da Unicamp destaca que a baixa na procura tem elo com a pandemia, crise econômica e polêmicas.
Os dados do Inep consideram os 19 municípios da região onde haverá aplicação da primeira avaliação, composta por 45 questões de linguagens, 45 de ciências humanas e redação. Os portões dos locais de avaliação abrem às 12h, fecham às 13h, e a aplicação começa às 13h30. A duração é de 5h30.
Já a segunda prova está marcada para o domingo posterior (28). Veja abaixo dados por cidade.
Horários, redações nota mil, aulas de revisão, dicas e mais no ESQUENTA para a prova
Cursinhos avaliam o que esperar de um Enem com a ‘cara do governo’ Bolsonaro
Cartão de confirmação com local da prova é divulgado
10 dicas para tirar nota máxima na redação
Enem 2021 na região de Campinas
Série de reflexos
Ao ponderar que o total de inscritos no Enem deste ano está distante dos 61,3 mil verificados no exame anterior, a professora da Faculdade de Educação da Unicamp Dirce Zan, integrante do Grupo de Pesquisas em Políticas, Educação e Sociedade avaliou que o resultado reflete consequências atreladas à pandemia da Covid-19, momento econômico do Brasil e polêmicas associadas ao exame.
“Acho que é muito preocupante e o resultado acende um alerta. Há várias hipóteses e a primeira delas é o modo como as escolas passaram a funcionar, de modo remoto. Alguns alunos conseguiram acompanhar, mas outros não por falta de acesso à internet, em virtude da dificuldade de ter uma disciplina e se organizar em estudar sozinho. Há estudantes que se sentem despreparados, com receio de tentar o Enem”, explicou. Outro ponto mencionado por ela são as perdas na crise sanitária.
“Há sofrimento psíquico desta geração. Depressão, ansiedade. Possivelmente há os os que perderam pessoas próximas, ficaram órfãos”, frisou. Além disso, contou Dirce, existe o aspecto econômico.
“Perderam quem sustentava, há quem precise tentar alguma atividade remunerada para ajudar durante este período […] É um momento de desalento, sobretudo para quem é oriundo de escola pública.”
Para ela, também é preciso considerar as polêmicas associadas ao Enem, o que, segundo ela, repercute em desconfiança sobre o processo e faz com que vestibulares de universidades públicas sejam mais valorizados. A Unicamp, por exemplo, recebeu 63 mil inscrições para o vestibular 2022.
“Sempre tem algum elemento que traz desconfiança e, por isso, comece a ser desacreditado por esses garotos e garotas. Quem está pleiteando talvez pense que o vestibular seja algo mais assertivo, já conhece a universidade, uma forma de garantir mais. É lamentável, o Enem foi um ganho enquanto um ‘vestibular nacional’, pelas possibilidades, e a cada época há alguma nova denúncia”, criticou.
Procurado pelo g1, o Inep informou que não divulga os locais de aplicação da prova em cada cidade por segurança. Contudo, a assessoria não apresentou posicionamento sobre a redução do número de inscritos na região e as considerações feitas pela especialista da Unicamp até esta publicação.
Polêmicas
Na semana passada, o g1 mostrou que 37 servidores Inep pediram exoneração de suas funções. O Ministério da Educação não comentou os motivos alegados pelos servidores no pedido de dispensa do instituto, que é estratégico para a área de educação no Brasil, enquanto os funcionários, em assembleia da Associação dos Servidores (Assinep) no dia 4 de novembro, indicaram “fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima” e mencionaram episódios de assédio moral.
Já nesta semana, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, afirmou que a prova “terá a cara do governo” de Jair Bolsonaro, mas negou que tenha ocorrido qualquer interferência ideológica na formulação.
O ministro da Educação, Milton Ribeiro
Dida Sampaio/Estadão Conteúdo
Versão digital
O levantamento do Inep mostra, ainda, que 1,8 mil candidatos irão realizar a modalidade digital do exame na região, aplicada em Americana (SP), Campinas (SP), Indaiatuba (SP) e Jaguariúna (SP). No ano passado, o total de inscritos nesta modalidade foi de 2,4 mil, nas mesmas cidades.
As provas
21 de novembro
45 questões de linguagens;
45 questões de ciências humanas
uma redação.
28 de novembro
45 questões de matemática
45 questões de ciências da natureza
Horários de aplicação
Abertura dos portões: 12h
Fechamento dos portões: 13h
Início das provas: 13h30
Término das provas no 1º dia: 19h
Término das provas no 2º dia: 18h30
Regras de prevenção à Covid-19
O uso de máscara pelo candidato é obrigatório durante a prova para reduzir o risco de transmissão do novo coronavírus. O edital também determina aplicação de álcool em gel na higienização das mãos.
O descumprimento dos protocolos de prevenção à Covid-19 é considerado critério de eliminação.
O que pode levar para a prova do Enem 2021?
Há dois itens obrigatórios para que o estudante possa fazer a prova, e uma lista de objetos que são permitidos, dependendo de uma série de situações. Veja abaixo quais são:
Obrigatório: a caneta deve ser esferográfica, de tinta preta, fabricada em material transparente;
Obrigatório: o acesso à sala de provas só será permitido mediante apresentação de um documento de identificação original e com foto, como: identidade, carteira de registro nacional migratório, carteira de trabalho, certificado de reservista, passaporte e carteira de motorista;
Caso o documento tenha sido roubado ou furtado antes do exame, o candidato deverá apresentar o boletim de ocorrência expedido pela polícia há, no máximo, 90 dias. Também deverá passar por uma coleta de dados durante procedimento de identificação especial;
Candidatos que apresentem documentos permitidos e originais, mas danificados ou com foto infantil, podem fazer a prova, desde que se submetam a uma identificação especial;
Participantes que solicitaram atendimento especializado para cegueira, surdocegueira, baixa visão e visão monocular podem utilizar os seguintes materiais: máquina Perkins, reglete, punção, sorobã ou cubaritmo, caneta de ponta grossa, tiposcópio, assinador, óculos especiais, lupa, telelupa, luminária e tábuas de apoio. Eles também podem ser acompanhados por cão guia;
Artigos religiosos, como quipá, são permitidos, mas devem ser verificados por um funcionário.
Cartão de confirmação – não obrigatório – tem dados relevantes sobre o local da prova;
O que NÃO pode levar para a prova do Enem 2021?
Documentos como certidão de nascimento ou de casamento, título eleitoral, CNH anterior a 1997, carteirinha de estudante, crachás, vias digitais ou cópias autenticadas não serão aceitos;
Celulares e equipamentos eletrônicos devem ser desligados e guardados em um envelope lacrado, que permanecerá debaixo da carteira. Entram na lista: calculadoras, agendas eletrônicas, tablets, ipods, gravadores, pen drive, relógio, chaves com alarme e fones de ouvido;
Durante a aplicação do exame, se algum aparelho, mesmo que devidamente guardado, emitir som, o candidato será eliminado. Lápis, caneta de material não transparente, lapiseira, borracha, régua, corretivo, livros, manuais e anotações são proibidos – devem ser mantidos no envelope;
Qualquer dispositivo que receba imagens, vídeos ou mensagens é vetado;
Óculos escuros, bonés, chapéus, viseiras ou gorros não são permitidos;
Initial plugin text
Veja mais notícias da região no g1 Campinas.