‘Senadores precisam impedir retrocesso’, dizem entidades ambientais após Câmara aprovar PL da Grilagem


Projeto de regularização de terras públicas gera críticas de ambientalistas
A Câmara dos Deputados aprovou nesta terça-feira (3) o projeto de lei que amplia a possibilidade de regularização fundiária de terras da União por autodeclaração, ou seja, sem vistoria prévia do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Para entidades ambientais, o projeto é um retrocesso e incentiva a grilagem.
As terras públicas da União são, muitas vezes, invadidas por pessoas interessadas na posse sem direito, e sem respeito às leis ambientais. A ocupação desregulada da Amazônia é um dos fatores que contribui para a grilagem: a compra e venda de terras da União, sem uma regularização fundiária e com especulação do preço da terra. As entidades que defendem o meio ambiente argumentam que a autodeclaração deve favorecer o mecanismo.
A partir de agora, os deputados analisam as sugestões de alteração no texto. Finalizada essa etapa, a proposta será encaminhada ao Senado. O projeto é de autoria do deputado Zé Silva (SD-MG), ligado à bancada ruralista na Câmara.
Greenpeace registra fogo na Amazônia durante última semana de julho.
Christian Braga/Greenpeace
Veja o posicionamento de algumas entidades ambientais:
Greenpeace
Ao invés de prevenir e combater o crime ambiental e esquemas organizados por grandes ladrões de terras públicas, a Câmara legaliza o que é ilegal. “O recado que esses deputados passam aos brasileiros é que vale a pena invadir e desmatar terra pública. Não há ninguém mais feliz que grileiro nesse momento, tendo governo e congresso a serviço deles. O desmatamento e a violência por terras ganham um grande impulso hoje”, lamenta Mariana Mota, Coordenadora de Políticas Públicas do Greenpeace.
Não bastou a manifestação massiva de amplos setores da sociedade contra o projeto, que veio desde a Confederação Nacional dos Trabalhadores Rurais Agricultores e Agricultoras Familiares (Contag), até representantes do agronegócio, passando por Bispos, ambientalistas, cientistas, juristas e defensores de direitos humanos. Arthur Lira seguiu adiante com seu compromisso com o projeto de destruição de Bolsonaro. “Em 5 meses de mandato, Lira conseguiu aprovar o pior texto do PL do licenciamento ambiental e, agora, o PL da grilagem, apenas citando os retrocessos no campo socioambiental”, completa Mariana.
Ao aprovar a legalização do roubo de terras públicas, Lira e demais aliados de Bolsonaro no Congresso mostram que estão ao lado do crime e da devastação ambiental. Cabe agora aos senadores impedirem esse retrocesso que a Câmara dos Deputados acabou de aprovar.
Instituto Democracia e Sustentabilidade
“O PL 2.633, associado ao PL de licenciamento ambiental já aprovado pela Câmara, somado ao PL da Estrada Parque, em discussão naquela Casa, compõem um combo do maior desastre ambiental de dimensões continentais da década. Infelizmente deixará um rastro de desmatamento, queimadas e violência no campo, que será quase impossível reverter.” André Lima, coordenador do Instituto Democracia e Sustentabilidade
Instituto Socioambiental
“O Brasil tem lei suficiente para atender à demanda de regularização fundiária. A lei em vigor, alterada em 2017, já facilitava a titulação de pequenas posses rurais. O texto do PL 2.633 beneficiará grandes latifúndios e desmatadores ao permitir a entrega de títulos sem a aferição da regularidade ambiental da área. O discurso de combate ao desmatamento, portanto, é falacioso. É importante lembrar que temos uma extensão de terras equivalente ao estado do Rio Grande do Norte sem destinação no Brasil. É um enorme patrimônio público, que não pode ter o grileiro e o crime organizado como destinatários privilegiados”, Juliana de Paula, do ISA
Observatório do Clima
“Lei totalmente desnecessária, uma vez que a legislação atual já prevê regras mais flexíveis para ocupações de até quatro módulos ficais. Lei irresponsável, que estimulará novas ocupações de áreas públicas e mais desmatamento. Lei criminosa, direcionada a respaldar grilagem. Mais importante: é evidente que o texto da Câmara tende a ser piorado no Senado, com adoção dos parâmetros do PL 510/2021, de autoria do Senador Irajá Abreu. Os retrocessos não vão parar”, disse Suely Araújo, analista sênior de políticas públicas do OC
Fundação SOS Mata Atlântica
“O momento de emergência climática e de crise hídrica exige do Brasil compromissos efetivos com a proteção das florestas. Mesmo assim, com a imagem totalmente desgastada no cenário internacional, projetos de lei como esse da grilagem continuam nos mantendo na contramão. Descolados da ciência, da participação da sociedade na governança ambiental, a boiada empaca no Congresso Nacional. A Câmara dos Deputados deveria promover o diálogo e reverter retrocessos como esse.” Malu Ribeiro, disse a diretora de Políticas Públicas da Fundação SOS Mata Atlântica
Imazon
“O texto aprovado na Câmara possui brecha que pode permitir que áreas de florestas públicas ocupadas e desmatadas a qualquer tempo sejam regularizadas via licitação, com critérios a serem definidos pelo Poder Executivo via decreto. É um grande estímulo à continuidade da grilagem, visando à apropriação e titulação de terras”, disse Brenda Brito, pesquisadora do Imazon.

Please enter banners and links.

Drik Barbosa pede calma a Péricles em single da série ‘Nós’


♪ Drik Barbosa dá continuidade à série intitulada Nós composta por singles colaborativos. Iniciada em novembro do ano passado com a edição do single que juntou a rapper paulistana com Rashid na gravação da música Sobre nós (Drik Barbosa, Rashid e Marissol Mwaba, 2020), a série Nós ganha esta semana um terceiro título que reúne a artista com o cantor Péricles no registro fonográfico da música Calma, respira.
Composição de autoria da própria Drik Barbosa em parceria com Evandro Fióti e Kelly Souza, Calma, respira chega ao mundo digital em single programado para quinta-feira, 5 de agosto, pela gravadora Laboratório Fantasma.
A letra de Calma, respira versa sobre casal em estado de desarmonia provocada pela luta e pelos problemas da vida cotidiana, não pela relação amorosa em si.
O single anterior da série Nós, Seu abraço, juntou Drik Barbosa com o grupo Psirico e com RDD na gravação de música composta pela artista com Evandro Fióti e Thiago Jamelão.
Capa do single ‘Calma, respira’, de Drik Barbosa com Péricles
Divulgação

Please enter banners and links.