Salão Duas Rodas tem capacetes de R$ 200 a mais de R$ 5,6 mil


Modelos são de uso urbano, off-road e estradeiro e têm grafismos bem variados, de times de basquete e super-heróis a pilotos de corrida e até produtores de funk. Capacetes expostos no Salão Duas Rodas
André Paixão/G1
Equipamento obrigatório para quem anda de moto, capacetes estão entre os vários itens à venda nas lojas do Salão Duas Rodas.
Ao menos 10 delas são especializadas no produto, e exibem centenas de variações, destinadas ao uso urbano, off-road ou estradeiro. O G1 percorreu a maior parte das lojas, e mostra alguns dos destaques.
O Salão Duas Rodas 2019 em 5 VÍDEOS
Os preços vão de R$ 200, caso dos mais simples, e passam dos R$ 5,6 mil, para outros, bem mais sofisticados.
Capacetes expostos no Salão Duas Rodas
André Paixão/G1
Além da diferença de preços, os capacetes possuem grafismos bem variados, passando por times de basquete, super-heróis (ou vilões), pilotos de corrida e até produtores de funk.
Acompanhe a COBERTURA COMPLETA do Salão Duas Rodas
Entre as novidades, estão capacetes de vilões das histórias em quadrinhos, como o Coringa e a Arlequina. Além deles, a lista de personagens é engrossada por modelos do Batman, Mulher Maravilha e The Flash. Todos são vendidos por R$ 449.
Capacetes de times de basquete da NBA expostos no Salão Duas Rodas
André Paixão/G1
O preço é o mesmo dos modelos de times de basquete dos Estados Unidos. Por enquanto, estão disponíveis capacetes do Boston Celtics, Los Angeles Lakers e Chicago Bulls, equipes tradicionais e conhecidas dos brasileiros.
Para quem pode investir mais, há um capacete chamado 2 em 1, que pode ser usado com a parte inferior aberta ou fechada. Nesse caso, o preço é R$ 2.199.
Capacete 2 em 1 exposto no Salão Duas Rodas
André Paixão/G1
Ainda mais caro é um modelo em que a “casca” é de fibra de carbono. Pesando 1.250 gramas, ele sai por R$ 5,5 mil. Segundo o gerente da empresa que distribui o modelo, ele é cerca de 30% mais leve do que similares.
Capacete do campeão de motovelocidade, Marc Márquez
André Paixão/G1
No entanto, o capacete mais caro da feira tem tema do multi-campeão de moto velocidade, Marc Márquez. Produzido pela empresa japonesa Shoei, está disponível por R$ 5.690.
Porém, os capacetes que mais têm chamado a atenção do público são bem mais baratos, mas com temática musical. São do produtor de funk Kondzilla. Segundo a gerente da loja, são 3 diferentes tipos de casco. Ela espera comercializar 70 unidades da linha por dia.
Linha de capacetes do produtor musical Kondzilla
Fabio Tito/G1
Initial plugin text

Moto controlada por gestos e que não cai é atração do Salão Duas Rodas; G1 testou


Yamaha Motoroid, conceito futurista de moto da marca, terá apresentações para o público durante o evento. É a primeira vez que ela aparece na América do Sul. Salão Duas Rodas 2019: a moto que anda sozinha
Já pensou controlar uma moto por gestos? No Salão Duas Rodas, isso é possível. Pelo menos no conceito Motoroid, uma das principais atrações da Yamaha no evento.
O G1 testou o modelo antes da abertura para o público. Vale adiantar que moto e repórter (que nunca pilotou uma moto) passam bem.
Apresentada originalmente em 2017 a Motoroid, moto autônoma da Yamaha, chega ao Brasil pela primeira vez no Salão Duas Rodas 2019.
Fabio Tito/G1
A aparição no Salão Duas Rodas é a primeira da Motoroid na América do Sul. Antes disso, dois anos atrás, ela foi mostrada ao mundo no Salão de Tóquio.
No futurista Salão de Tóquio, motos rodam sozinhas
“Essa é a visão da Yamaha para o futuro. Temos um modelo que anda sozinho e não tomba, reforçando a segurança”, disse Kinji Asamura, engenheiro de tecnologia da mobilidade da empresa. Ele veio do Japão apenas para demonstrar a Motoroid no Salão Duas Rodas.
Kinji Asamura, engenheiro da Yamaha, e a Motoroid
Fabio Tito/G1
O funcionamento é relativamente simples. Duas câmeras na dianteira detectam o rosto do piloto. A partir daí, quatro pequenos LEDs azuis indicam que ela está pronta para ser conduzida.
“É possível configurar o sistema para que a moto só funcione com o rosto do dono”, completou Asamura.
O Salão Duas Rodas 2019 em 5 VÍDEOS
Para auxiliar as demonstrações, uma tela lateral indica se a pessoa está dentro do campo de visão da moto.
A Motoroid obedece a três comandos diferentes: fazendo o gesto de chamar alguém faz com que a moto avance. Para parar, basta espalmar a mão. Por fim, se quiser que ela retorne, é só afastar a mão, em direção a moto.
Motos que não caem do Salão de Tóquio
Alexandre Mauro/G1
No início, ainda no período de adaptação, alguns gestos acabam sendo confundidos. Porém, conforme piloto e máquina vão criando “intimidade”, tudo se torna mais natural.
Outra funcionalidade da Motoroid é se equilibrar sozinha. Ela percebe um movimento de queda, e compensa isso, de forma semelhante ao de uma coluna humana. Dá para empurrar a moto, que ela não cai.
Detalhe das baterias da Motoroid, que ajudam no equilíbrio da máquina.
Fabio Tito/G1
Isso é feito usando as baterias e o próprio chassi da moto como um pêndulo.
Por fim, ela ainda privilegia a ergonomia, com possibilidade de diferentes ajustes, de acordo com o corpo do piloto. Sim, é possível conduzir a Motoroid de forma “convencional”.
Motoroid, moto futurista da Yamaha, conta com um sistema de câmeras para reconhecimento dos comandos.
Fabio Tito/G1
Questionado sobre a possível chegada de uma moto como essa ao mercado, o engenheiro da Yamaha disse que “estão fazendo o possível para que seja em breve”, sem, no entanto, dar uma previsão.
Ficou curioso? Durante o Salão Duas Rodas, a Motoroid terá três apresentações diárias. Elas acontecerão de acordo com a demanda, e serão comandadas por Asamura.
Initial plugin text