Primeiro Porsche elétrico terá interior com 4 telas


Taycan, como é chamado, será lançado no início de setembro. Modelo promete motor de 600 cv e autonomia de mais de 500 km. Interior do Porsche Taycan tem 4 telas
Divulgação
A Porsche vai apresentar o Taycan, seu primeiro carro elétrico, apenas daqui algumas semanas, no início de setembro. Mas a ansiedade parecer ser tanta, que a fabricante está divulgando spoilers do visual.
Onde recarregar, custo… como é o dia a dia com carros elétricos
Harley sem ronco: veja como anda a primeira moto elétrica da história da marca
Nesta quinta-feira (22), a marca mostrou as imagens do interior do Taycan. O visual é inspirado no do 911 de 1963, e segue a linha do modelo atual. O volante, por exemplo, é o mesmo.
Só que o Taycan traz um apelo mais tecnológico. A principal característica da cabine, por exemplo, é a profusão de telas. São 4.
Quadro de instrumentos do Porsche Taycan
Divulgação
Uma serve como quadro de instrumentos, duas ficam no console, enquanto a última é posicionada praticamente na frente do passageiro. Esta última, porém, será um item opcional.
A grande quantidade de telas permitiu que a Porsche praticamente abandonasse os botões. A operação é feita por meio de uma segunda central, de 8,4 polegadas. Ela concentra funções de ventilação e entrada de endereços por meio de escrita.
Por ser elétrico, o Taycan não possui conta-giros, o elemento central de todo quadro de instrumentos da Porsche. Por esse motivo, não há relógios analógicos por ali.
O quadro de instrumentos é curvo, e pode ser configurado de 4 diferentes maneiras. No clássico, há dados de potência e um medidor da carga no lugar do conta-giros. Também é possível mostrar um mapa de navegação em toda a tela, ou apenas na porção central. Por fim, o Pure tem visual minimalista, e exibe apenas informações essenciais, como velocidade e sinais de trânsito.
Já o seletor de marchas foi deslocado para abaixo do quadro de instrumentos, e ao lado do volante.
Porsche Taycan
Porsche/Divulgação
O Taycan terá motor elétrico de mais de 600 cavalos. A Porsche diz que ele irá acelerar de 0 a 100 km/h em apenas 3,5 segundos, com velocidade máxima acima dos 250 km/h.
Por outro lado, a autonomia deve ultrapassar os 500 km. Para carregar as baterias, o sistema da Porsche deve alcançar 80% em cerca de 15 minutos.

SulAmérica vende segmento de automóveis para Allianz por R$ 3 bilhões


Com a transação, SulAmérica irá concentrar seus negócios nos segmentos de saúde, odontologia, vida e previdência. Sede da SulAmérica no Rio de Janeiro
Divulgação/SulAmérica
A SulAmérica informou nesta sexta-feira (23) que vendeu seus segmentos de auto e ramos elementares para a alemã Allianz, por R$ 3 bilhões. Segundo a seguradora, a transação considera um patrimônio líquido de R$ 700 milhões na recém-formada companhia a ser estruturada especificamente para o propósito da venda, sujeito a mecanismos de ajustes de preço comuns em transações similares.
A conclusão da transação está condicionada ao cumprimento de determinadas condições precedentes, incluindo a aprovação prévia dos órgãos reguladores e anticoncorrenciais competentes.
A SulAmérica afirma que a transação reforça seu posicionamento estratégico concentrado nos segmentos de saúde, odontologia, vida e previdência, além da relevante operação de gestão de ativos. Essas áreas representaram cerca de 85% do faturamento consolidado do grupo no primeiro semestre deste ano.
“Ademais, a transação representará um montante adicional e relevante de liquidez para a companhia aproveitar oportunidades de crescimento orgânico e inorgânico no futuro”, diz a SulAmérica.
O comunicado ressalta que a Allianz está entre os três maiores grupos globais de seguradores de ramos elementares. Com a compra dos segmentos da SulAmérica, se tornará uma das mais importantes seguradoras de automóveis e ramos elementares no Brasil.
Até a efetiva conclusão da transação, as partes continuarão a conduzir seus negócios de forma independente. Portanto, clientes, corretores, assessorias, fornecedores, colaboradores e demais partes interessadas não devem esperar quaisquer alterações na administração e relações comerciais, fornecimento e oferta de produtos da SulAmérica.