Para ‘sonho do crescimento’, Guedes defende reformas e diz que pode liberar FGTS para trabalhadores

Ele negou que a equipe econômica buscará ‘truques’ ou ‘mágicas’ para estimular a economia, mas confirmou que governo estuda liberação de FGTS também para trabalhadores na ativa. O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta quinta-feira (30), dia quem foi anunciado uma retração do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre deste ano, que, para o Brasil atingir o “sonho do crescimento”, reformas estruturais, como a da previdência e a tributária, precisam ser aprovadas.
Ele disse ainda que o governo estuda a liberação de recursos dos trabalhadores depositados em contas inativas e ativas do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS). Veja mais abaixo nessa reportagem
“Nós não vamos fazer truques, nem mágicas, vamos fazer as reformas sérias”, afirmou o ministro. De acordo com ele, medidas artificiais de estímulo à economia, como uma “liberaçãozinha” de recursos, ou corte artificial dos juros, já foram implementadas no passado sem sucesso, gerando o que ele classificou como um padrão de “voo de galinha” na economia (crescimento baixo e inconsistente).
“O voo da galinha, já fizemos várias vezes. Faz uma liberaçãozinha aqui, baixa artificialmente os juros para reativar a economia. Aliás, foi assim que o último governo caiu, caiu por irresponsabilidade fiscal, juros baixos, tentando estimular a economia. Nós não vamos fazer truques, nem mágicas, vamos fazer as reformas sérias”, acrescentou.
Liberação de FGTS para trabalhador
Apesar disso, o ministro também disse que a equipe econômica está estudando medidas de estímulo à economia, mas acrescentou que, a princípio, elas seriam adotadas depois da aprovação da reforma da Previdência Social na Câmara dos Deputados . A expectativa do governo é de que isso aconteça nas próximas semanas.
Desse modo, segundo sua análise, essas medidas funcionariam como uma “chupeta” em um carro com problemas na bateria.
“Vamos liberar PIS/Pasep, FGTS [Fundo de Garantia por Tempo de Serviço], mas assim que saírem as reformas. Se abre essas torneiras sem as mudanças fundamentais, é o voo da galinha. Você voa três quatro meses porque liberou, e depois afunda tudo outra vez. Na hora em que fizer as reformas fundamentais, e aí sim libera isso, é como se fosse a chupeta de bateria [de carro, ou seja, um estímulo inicial ao PIB]. Senão, anda três metros e para tudo outra vez”, declarou.
Em seguida, porém, ele afirmou que essas medidas já estão prontas e podem ser anunciadas nas próximas semanas, antes mesmo da aprovação da reforma da Previdência.
“Cada parte da nossa equipe está trabalhando em um programa, e você não controla o ‘timing’. Pode ser que a Argentina anuncie em duas semanas que quer o acordo conosco, e aí fechamos com a Europa [zona de livre comércio] também. Pode ser em duas semanas, mas pode ser que saia em cinco semanas. Se sair em cinco, vai ser depois da reforma da Previdência”, acrescentou.
Segundo ele, a liberação de recursos das contas do PIS/Pasep seria anunciada hoje, mas explicou que o governo preferiu aguardar para examinar também a possibilidade de autorizar desembolsos de recursos dos trabalhadores no FGTS.
“O PIS/Pasep já estamos prontos para disparar. Íamos disparar hoje, e aí fomos examinar também o FGTS. Atrasou um pouquinho o Pis/Pasep. Liberação de contas inativas [do FGTS] lá atrás. As pessoas podem até buscar os recursos e podemos fazer um esforço extra para localizar. Tudo isso está sendo cuidado. [Contas] Inativas e ativas também [seriam liberadas]. cada equipe está examinando isso. Nos não batemos o martelo ainda, mas todas equipes estão examinando isso”.