Zezé Di Camargo chora ao falar sobre a morte do pai durante velório: ‘Se existe céu, ele está lá’


Sertanejo disse não ter conseguido se aproximar do caixão no velório porque quer manter na memória a imagem alegre que tem do pai. Francisco morreu na segunda-feira (23). Zezé Di Camargo fala sobre a morte do pai, Francisco Camargo, em Goiânia
Durante velório, na manhã desta terça-feira (24), Zezé Di Camargo falou sobre se despedir do pai, Francisco de Camargo, que morreu na noite de segunda-feira (23). O sertanejo contou que não conseguiu se aproximar do caixão durante o velório para manter a imagem alegre que tem do pai.
“Eu escrevo um livro só de causos e piadas do meu pai. Não cheguei perto do caixão ate agora, quero guardar esse espírito alegre que ele sempre foi. […] Se existe um céu, ele está lá”, afirmou.
Francisco de Camargo com filhos Zezé e Luciano – fotos publicadas nas redes sociais em 9 de agosto de 2020
Reprodução/Instagram
Zezé contou ainda que o pai sempre foi muito forte, mesmo lutando há anos com algumas comorbidades. Segundo o filho mais velho, “seu Francisco”, como era conhecido, enfrentou pneumonias, enfisema pulmonar, mas sempre se recuperava.
“Fazia 30 anos que eu usufruía tanto do meu pai. As circunstâncias da vida, por incrível que pareça, essa doença acabou me dando um presente. Quando você recebe essa notícia, que virou a chavinha, é muito dolorido. Por mais que eu tenha curtido meu pai, não tem palavra que conforte nessa hora. O que meu pai sofreu, o que ele lutou pela vida”.
“Eu ouvi profissionais de saúde dizerem que trabalham há 15 anos e nunca viram uma pessoa tão resiliente, que lutou tanto pela vida. Ele era igual uma fênix, renascia das cinzas”, completou Zezé.
Zezé Di Camargo na chegada ao velório de Seu Francisco
Vitor Santana/G1
O corpo de Francisco é velado no Jardim das Palmeiras, em Goiânia, nesta terça-feira. Luciano, que faz dupla com Zezé, não conseguiu viajar à capital goiana para se despedir dele porque foi diagnosticado recentemente com Covid-19 e está isolado na casa em que mora em São Paulo (SP).
Como filho mais velho, Zezé contou que tem lembranças do pai desde pequeno e como sempre o admirou: no esforço que ele colocava no trabalho, na dedicação dele com os filhos, na força e incentivo que ele deu na carreira musical dele. Segundo o filho, o exemplo do pai extrapola as fronteiras da família.
“Meu pai deixa exemplo de humildade, caráter, de acreditar no sonho, que a estrada que você trilha tem que ser do bem, da honestidade. E não deixou só para mim, para os filhos, para a família. Deixou para o Brasil todo. Foi um exemplo de que sempre é possível sonhar e realizar”, afirmou.
Morre Francisco Camargo, pai de Zezé di Camargo e Luciano
Parte dessa história dele foi contada no filme “2 Filhos de Francisco”, lançado em 2005 nos cinemas brasileiros. O longa mostra o esforço do pai para tornar a dupla – Zezé Di Camargo e Luciano – famosa no mundo da música sertaneja.
Segundo sites especializados em cinema, o longa foi assistido por cerca de 6 milhões de pessoas e arrecadou aproximadamente R$ 34 milhões.
Francisco José de Camargo em foto tirada em 2012
Cristina Cabral/O Popular
Memórias
Zezé contou que tem incontáveis lembranças com o pai. De vê-lo saindo com uma enxada nas costas para trabalhar na roça até os “causos” e piadas que ele costumava contar. Segundo o filho, o que marcou a relação dos dois foi a parceria que sempre tiveram na vida e como Francisco sempre o apoiou.
“Lembro do meu pai indo para a roça para ganhar o nosso sustento. Eu escutava os passos dele na minha janela. […] Não teve uma noite em que eu fui dormir e não vi o sorriso do meu pai. Vai continuar sendo assim”, completou.
Na manhã desta terça-feira, Zezé publicou um texto nas redes sociais em que pedia “perdão” por querer que o pai ficasse mais.
“Chega um momento que não se sabe se está fazendo bem para a pessoa usando tantos artifícios de remédios, equipamentos, que você se pergunta se não está judiando. […] Eu na sabia se era para ele ficar mais com a gente ou não”, explicou.