Web Summit 2019: empresas projetam o mundo digital em 2050

Web Summit 2019 é um dos maiores eventos de tecnologia do mundo

Web Summit 2019 é um dos maiores eventos de tecnologia do mundo
Sam Barnes/Web Summit 2019

Mais uma vez, o ser humano passa a ser o centro das discussões dos grandes festivais de inovação e tecnologia. No segundo dia do Web Summit 2019, executivos de grandes empresas como Nokia, Shell, Google, por exemplo, falaram sobre como será o futuro. E não é um futuro logo alí. As empresas estão projetando as novas formas de comportamentos dos consumidores em 2050.

Para Marcos Weldon, presidente da Bell Labs e CTO corporativo da Nokia, a melhoria dos processos da indústria vai trazer mais felicidade para as pessoas. “Hoje, mais de 40% do tráfego digital é gerado por perfis e anúncios falsos. Com a evolução da tecnologia, isso vai cair e as pessoas vão se relacionar mais verdadeiramente”, afirmou ele no palco Future Society, em Lisboa (Portugal).

Os famosos seis graus de separação entre as pessoas, que existiam nos anos 2000, hoje são quatro. O mundo hiperconectado definitivamente  aproxima mais as pessoas, e dá às empresas mais dados sobre elas. Para ele, diferentemente do que vivemos hoje, entre o mundo real e o virtual, teremos um terceiro elemento: o mundo biológico.

Esta camada está começando a ser desenvolvida pela coleta de dados de cromossomos e de equipamentos vestíveis, os wearables. E a conversa entre os três universos acontecerá sempre em tempo real. “Proximidade mais produtividade trará mais felicidade para a população”, acreita Weldon.

Ed Daniels, head de estratégia da Shell, também apresenta uma tríade de universos para o futuro: as ilhas digitais, as plataformas abertas e a camada de proteção e armazenamento de dados. “Para evitar um mundo digital fragmentado, as empresas precisariam procurar maneiras de capacitar os indivíduos, devolvendo seus dados. Nesse cenário, as empresas globais enfrentam desafios”, afirma.

Mais uma vez, a proteção dos dados e o seu uso por empresas foi discutido. E isso aconteceu em todas as palestras que eu assisti nesta manhã em Lisboa, idependentemente  do tema ou abortagem. Passei por startu-ups, futuro e carros tecnológicos.

A chefe de decisão em inteligência do Google, Cassie Kozyrkov, é contundente em afirmar que o desenvolvimento de um sistema automatizado eficiente e seguro deve passar pelas pessoas. “Precisa ser objetivo, relevante, bem montado e testado e construído por humanos de forma segura.”

Para ela, a automação por meio de inteligência artificial é apenas uma evolução do que já acontece na história humana. “A história da humanidade é uma história de automação”, afirma Cassie. A mudança agora é que a programação tradicional, guiada por exemplos de uso, passa a ser explicada com os exemplos, que geram o aprendizado para as máquinas. “Será uma automação além da expressão humana”, completa.

*Aline Sordili é diretora de desenvolvimento e planejamento em jornalismo na Record TV.