Veja repercussão do anúncio de Carlos Decotelli como novo ministro da Educação


Ex-presidente do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) sucederá no cargo Abraham Weintraub, que, após 14 meses, anunciou demissão na semana passada. Carlos Alberto Decotelli, novo ministro da Educação
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quinta-feira (25) por meio de uma rede social a nomeação do professor Carlos Alberto Decotelli da Silva para o cargo de ministro da Educação.
Ele sucederá Abraham Weintraub, que, após 14 meses, anunciou demissão na semana passada para assumir um posto de diretor representante do Brasil no Banco Mundial, em Washington (EUA).
Decotelli será o primeiro ministro negro e o terceiro ministro da Educação do governo Bolsonaro. Antes de Weintraub, Ricardo Vélez Rodríguez permaneceu pouco mais de três meses no comando da pasta.
Veja a seguir a repercussão da nomeação de Decotelli.
“o Conselho Nacional de Secretários de Educação afirma que, enquanto presidente do FNDE, Carlos Alberto Decotelli manteve um bom canal de diálogo com os secretários, chegando a visitar alguns estados durante a sua gestão. Sendo assim, o Consed acredita na possibilidade de ampliação do diálogo e na contínua interação com o Ministério da Educação, para que políticas educacionais, como a implementação da Base Nacional Comum Curricular e o Novo Ensino Médio possam avançar com celeridade e qualidade.” – Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), em nota oficial.
“Decotelli chega com o desafio de reestruturar um MEC paralisado por dois ministros que nunca tiveram a educação como prioridade. Desejo que ele reconheça que o MEC precisa mudar de rota e esteja disposto ao diálogo p/ superarmos a crise. O futuro da nossa juventude depende disso.” – Tabata Amaral, deputada federal, no Twitter.
“E aí, @tabataamaralsp – vai ter “coragem” de criticar o novo ministro? Sabia que ele não precisou de cota para conseguir este currículo?” – Carla Zambelli, deputada federal, Twitter.