Veja histórico dos últimos reajustes do salário mínimo


A partir de 2020, valor deve ser corrigido apenas pela inflação. De 2004 a 2019, mínimo teve aumento real acumulado, ou seja, acima da inflação do período, de 74,33%, segundo o Dieese. O valor do salário mínimo de 2020 deverá ser corrigido apenas pela inflação, sem aumento real, conforme propôs o governo Jair Bolsonaro nesta segunda-feira (15), por meio do projeto de lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).
Pela modelo de correção anunciado, o valor do mínimo será reajustado somente com base na variação dos preços em 2019, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), estimada em 4,2%. Com isso, o valor proposto pela LDO para o salário mínimo é de R$ 1.040. Se aprovado pelo Legislativo, começa a valer no ano que vem, com pagamento a partir de fevereiro.
Desde 2011, a política de reajuste do mínimo – instituída no governo Dilma Rousseff – previa correção com base na inflação do ano anterior mais um aumento com base na variação do Produto Interno Bruto (PIB) de dois anos antes.
Levantamento do Dieese mostra que, de 2004 a 2019, o aumento real acumulado do salário mínimo, ou seja, acima da inflação do período, foi de 74,33%.
Mas nem sempre o salário mínimo subiu acima da inflação. Em 2017 e 2018, por exemplo, foi concedido o reajuste somente com base na inflação porque o PIB de dois anos antes (2015 e 2016) teve retração. Por isso, para cumprir a fórmula proposta, somente a inflação serviu de base para o aumento. Veja no gráfico abaixo:
Histórico de reajustes do salário mínimo
Infografia: Fernanda Garrafiel/G1
O salário mínimo, que atualmente está em R$ 998, serve de referência para cerca de 48 milhões de pessoas, sendo cerca de 23 milhões beneficiários do INSS.
Além de pesar sobre a folha de pagamentos da Previdência Social e da administração de prefeituras, o salário mínimo serve de referência, sobretudo, para os trabalhadores do setor privado que pertencem a categorias não contempladas em acordos coletivos ou convenções, como domésticas.
De acordo com o Dieese, o acréscimo de cada R$ 1 no valor do salário mínimo implica despesa extra de cerca de R$ 302 milhões ao ano para o governo. Por outro lado, o aumento real do salário mínimo também aumenta a arrecadação do governo, estados e municípios.
A maioria dos estados segue o valor estabelecido pelo governo federal, mas em alguns existe um piso regional, superior ao salário mínimo. Veja aqui os valores do salário mínimo por estado.