Veja 10 tipos de carros dos quais você deve fugir


É difícil ganhar dinheiro com carro, mas é fácil perder. Sou um admirador de tudo que esteja relacionado a carros. Já tive de tudo um pouco, e sei bem o que é ficar encantado por determinado modelo.
É uma sensação muito gostosa e, por isso, quando as pessoas me perguntam sobre qual carro comprar ou querem tirar uma dúvida entre dois modelos, entendo porque a maioria das pessoas se envolve emocionalmente nas escolhas e esquecem dos aspectos técnicos e comerciais.
O que eu vou dizer talvez seja uma ducha de água fria, mas aguente firme aí.
As 10 dicas a seguir podem evitar maiores prejuízos, principalmente se você estiver em um momento de começar a fazer seu patrimônio.
1. Cuidado com carros muito baratos
Carro legal é aquele que tem bom valor de mercado: preços muito abaixo do mercado podem esconder histórico de sinistros ou pendências judiciais. As vezes é melhor pagar um pouco mais por um exemplar bem aceito no mercado do que comprar um barato que ninguém quer. Réplicas ou alguns modelos que acabaram de chegar ao mercado também são aquisições de risco e baixa liquidez.
2. Um carro financiado pode custar um carro e meio
Não é fácil resistir a uma prestação que caiba no seu bolso, mas pense bem. Se você se puder poupar dinheiro para comprar à vista, ficará mais fácil trocar de carro no futuro. Financiar carro usado é pior ainda: as pessoas esquecem de que terão as prestações do financiamento mais os custos com as manutenções.
3. Razão prevalece ao escolher carro de trabalho
Fiat Fiorino
Divulgação
Se você vai usar o carro como instrumento de trabalho, a razão tem que falar ainda mais alto. Ferramenta de trabalho tem que ter qualidade: imagine seu dentista com uma broca de segunda linha para usar na sua boca? E tem mais: quando o veículo está parado em uma oficina, o prejuízo é em dobro.
4. Invista em segurança
Carros sem itens de segurança, como airbags, freios ABS e controle de estabilidade são uma fria. Além de valorizarem o veículo na hora da revenda, saem bem mais barato do que uma semana de hospital. Muita gente se envolve em acidentes não pelos seus erros, mas pelos erros de terceiros. Portanto, achar que está protegido porque dirige bem não é uma boa justificativa.
5. Carro que o ‘brother’ indicou
Seu amigo pode estar bem-intencionado, mas quem entende de carro é o seu mecânico. Ele possui muito mais informações, como preço e disponibilidade de peças, problemas crônicos, etc.
Existem alguns modelos, por exemplo, que deixam os mecânicos em uma tremenda saia justa: as peças são caríssimas e os clientes acabam ficando descontentes com os profissionais e não se dão conta de que o problema é o carro.
6. Seguro pode ser proibitivo
O valor do seguro de alguns carros inviabiliza o negócio. Consulte um corretor antes de bater o martelo. Informação é o que não falta para as seguradoras, elas sabem quanto custa o reparo de cada carro. Por isso, se o seguro não gosta, sugiro que você também não goste.
7. Cores berrantes
Honda Civic Si
Caio Kenji/G1
Verde limão pode ser cor legal para escova de dentes, mas não para um carro com boa liquidez. Não insista. Eu até acho a cor da nossa frota bem monótona, e particularmente acho linda a cor laranja para carros esportivos, mas esse não é o gosto da maioria. Cores extravagantes são mais difíceis de serem comercializadas.
8. Alguns itens podem ser supérfluos
Você já parou para pensar em quantos recursos a sua televisão possui e quantos você efetivamente utiliza? Com os carros é a mesma coisa. Por que pagar R$ 8 mil em um teto solar se você vai andar com ele aberto uma vez por ano? Bússola, aquecedor dos bancos, sistema de som com muitos alto-falantes são outros exemplos de assessórios que, para a maioria, são dispensáveis.
9. Fuja dos rebaixados
Coluna carros rebaixados
Denis Marum/G1
Eu não compraria um carro rebaixado, jogado no chão, pneu com perfil baixo. Esteticamente alguns até ficam bonitos, mas tudo isso gera muita despesa e desgaste, além da facilidade em amassar as rodas e de diminuir a vida útil dos amortecedores.
Pode até ser papo de “tiozão”, mas colocar um monte de dinheiro em acessórios é legal quando você já possui uma casa própria. Você vai conseguir vender, mas pode ter que esperar alguém que goste de tudo que você colocou e principalmente esteja disposto a pagar mais por isso.
10) Carrão importado a preço de popular
BMW Série 5 de 1996
Divulgação
Fuja de “carrões importados” com mais de 150.000 km ou 20 anos de uso. Eu sei que você vai falar que são carros muito bem fabricados, que não quebram, que o preço é convidativo e que seu amigo já teve um que o motor durou 600.000 km. Eu já vi e ouvi tudo isso.
Porém, na hora que o carro quebra, você pode ir a nocaute igual ao lutador de MMA quando recebe um direto no queixo. Muitas vezes, o preço do reparo representa mais da metade do valor de mercado do carro. Vai arriscar?
Resumindo: quanto mais racional você for na escolha do próximo carro, menos dinheiro você vai perder.
Denis Marum escreve no G1 sobre cuidados com o carro
G1