Unicamp faz série de 1 mil testes de Covid-19 antes de iniciar etapa com volta parcial de estudantes


Universidade libera, a partir do dia 16, retorno facultativo e presencial de até 25% dos alunos de graduação, pós e extensão, e até 60% dos servidores. Veja cronograma das próximas etapas. Unicamp usa teste RT-PCR
Breno Esaki/Agência Saúde DF
A Unicamp encerra nesta quarta-feira (11) uma série de 1.059 testes para Covid-19, antes de iniciar a primeira etapa com volta parcial e presencial de estudantes às salas de aula. Segundo planejamento da universidade estadual, a partir de 16 de novembro está autorizado o retorno facultativo de até 25% dos alunos matriculados em cursos de graduação, pós e extensão; além de até 60% dos servidores, incluindo neste grupo os professores e funcionários técnico-administrativos da instituição.
Os exames programados para a detecção do novo coronavírus são do tipo RT-PCR. Nesta fase, eles começaram a ser feitos na segunda-feira e têm como público-alvo estudantes e funcionários.
O retorno presencial e gradativo é autorizado somente mediante apresentação do resultado negativo para a enfermidade. Veja abaixo cronograma até início de 2021.
De acordo com o Ministério da Educação, a instituição foi a primeira universidade pública brasileira a interromper as atividades com objetivo de evitar a transmissão da doença, em 13 de março. O reinício das atividades presenciais ocorreu em 19 de outubro, com a liberação da volta facultativa de até 20% dos servidores. Já em 2 de novembro, a Unicamp elevou o indicador para até 40% dos funcionários.
Para viabilizar as duas primeiras etapas, diz a Unicamp, 2.971 pessoas assintomáticas foram testadas, incluindo trabalhadores, além de alunos que voltaram à universidade para integrar a força-tarefa contra a Covid-19 ou atendam aos critérios de resolução interna onde são descritos os casos excepcionais.
Neste grupo foram contabilizados 2.955 resultados negativos, oito inconclusivos e oito positivos. Os testes disponíveis para toda a comunidade acadêmica da Unicamp foram enviados pelo Instituto Butantan e são realizados no próprio complexo hospitalar da universidade, em Campinas (SP).
Reitor da Unicamp pede equilíbrio, mas defende retomada gradual
Próximas etapas do planejamento
30/11: até 80% de servidores, até 50% de alunos (graduação, pós-graduação e extensão);
14/12: até 100% de servidores, até 75% de alunos;
23/12 a 04/01/2021 – recesso do fim de ano
04/01/2021: até 100% de servidores, até 100% de alunos, e até 25% das crianças atendidas pelo Centro de Convivência Infantil/Serviço Socioeducativo;
Atendimento de crianças
Inicialmente, a Unicamp previa a hipótese do retorno facultativo de até 25% das crianças atendidas pelo Centro de Convivência Infantil/Serviço Socioeducativo. Entretanto, a instituição revisou o planejamento e adiou esta parte para janeiro de 2021 com objetivo de “manter a segurança de crianças, familiares e servidores”, considerando-se infraestrutura, equilíbrio entre fatores de risco/idade dos servidores e número adequado de servidores para manter as atividades adequadas dos órgãos.
De acordo com a universidade estadual, as atividades do Centro de Convivência Infantil/Serviço Socioeducativo terão aumento gradativo de 25%, a cada duas semanas, a partir da data de início.
Cuidados e volta facultativa
Em nota, a Unicamp destaca ações para garantir segurança, além da testagem prévia, e diz que as mudanças de fases ocorrem a cada duas semanas, preferencialmente sob a forma de rodízio:
Estabelecimento de equipe responsável por cumprir todos os protocolos de saúde aplicáveis às saúdes, em cada órgão ou unidade;
Realização de treinamentos compulsórios que foram estabelecidos para servidores, funcionários de empresas terceirizadas e alunos – clique aqui para conferir mais detalhes;
Preenchimento diário de inquérito sintomatológico por todos os alunos, professores, servidores e demais profissionais que estejam com atividades presenciais na universidade;
Além disso, a universidade estadual ressalta obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção facial por integrantes da comunidade acadêmica nos espaços fechados ou abertos dos campi; e que estão proibidas aglomerações em todos os espaços da Unicamp enquanto houver quarentena no Estado de São Paulo e vigência das medidas preventivas para enfrentamento ao novo coronavírus.
Planejamento
A Unicamp diz que o cronograma de retomada foi estabelecido com base nas classificações de Campinas, Limeira e Piracicaba no planejamento do Estado para flexibilizar a economia durante a pandemia – Plano SP. As cidades estão na fase verde e a condição para reinício das atividades era que cada município ficasse ao menos 28 dias consecutivos na fase amarela ou verde da classificação.
Caso elas retrocedam para as fases laranja ou vermelho, a universidade estadual afirma que as aulas e atividades presenciais não essenciais serão suspensas imediatamente em todos os campi.
Veja mais notícias da região no G1 Campinas.