Traço do caricaturista Lan também está imortalizado em capas de discos


♪ Amigo de Lamartine Babo (1940 – 1963), o caricaturista Lan retratou postumamente o compositor ao lado das Frenéticas na capa do álbum de 1980 em que o grupo feminino deu vozes à irreverência do autor de músicas como a marcha Linda morena (1933).
Embora a atuação primordial do caricaturista, chargista e ilustrador Lanfranco Aldo Riccardo Vaselli Cortellini Rossi Rossini (18 de fevereiro de 2025 – 4 de novembro de 2020) tenha sido na imprensa, Lan – como era conhecido – também deixou marcas no mercado fonográfico.
Lan morreu aos 95 anos, em Petropólis (RJ), na noite de ontem, 4 de novembro, mas o traço do artista também está imortalizado em capas de discos. Italiano de Toscana, criado no Uruguai, Lan veio para o Brasil em 1952 e, já na década de 1950, começou a atuar na indústria de discos.
Capas dos LPs ‘A Velha Guarda’ e ‘Eu vou p’ra Maracangalha’, lançados em 1955 e 1957 com caricaturas de Lan
Arte de Lan
Em 1955, Lan expôs na capa do LP A Velha Guarda (Sinter) as caricaturas de todos os integrantes do grupo formado por Alfredo da Rocha Vianna Filho (1897 – 1973), o Pixinguinha, com bambas como João da Baiana (1887 – 1974), Alcebíades Barcelos (1902 – 1975), o Bide, e Ernesto Joaquim Maria dos Santos ((1889 – 1974), o Donga.
Em 1957, Lan retratou Dorival Caymmi (1914 – 2008) na capa do terceiro álbum do artista, Eu vou p’ra Maracangalha, LP de 10 polegadas lançado pela gravadora Odeon.
Tudo a ver com Lan, caricaturista que tantas vezes se inspirou no universo do samba para fazer arte visual.