Trabalhador da Fiat Chrysler testa positivo para Covid-19 nos EUA; fábrica permanece aberta


Unidade fabril da FCA no estado de Indiana é especializada na produção de transmissões automotivas. Empresa colocou pessoas próximas ao infectado com o novo coronavírus em quarentena. Fiat Chrysler Automobiles (FCA)
Rebecca Cook/Reuters
A Fiat Chrysler (FCA) confirmou que um funcionário testou positivo para o novo coronavírus em sua fábrica de Kokomo, no estado da Indiana, nos Estados Unidos. No entanto, a montadora segue com a unidade fabril, especializada na produção de transmissões, em funcionamento.
A FCA disse que o funcionário está recebendo cuidados médicos e seus colegas de trabalho imediatos, e outros com quem ele pode ter entrado em contato direto, foram colocados em quarentena.
O receio de uma desaceleração das vendas de automóveis nos EUA por causa do Covid-19 está aparecendo nas previsões dos analistas, mas executivos do setor disseram no início desta semana que a pandemia ainda não afetou a demanda ou a produção da fábrica.
As montadoras normalmente agendam o pessoal da fábrica para permitir uma certa proporção de trabalhadores ausentes, disseram consultores do setor.
No entanto, se o surto causar níveis mais altos devido à infecção ou trabalhadores ficarem em casa para cuidar de crianças cujas escolas estão fechadas, isso pode levar a uma produção reduzida ou, em casos extremos, a paralisações.
Em seu comunicado divulgado na quinta-feira (12), a FCA disse que está “implantando medidas adicionais de sanitização em toda a instalação, reorientando os intervalos para evitar aglomerações e implantar espaçamento social”. Também está cancelando todas as reuniões presenciais, a menos que seja “crítico para os negócios”, e está usando videoconferência.
Muitas empresas automobilísticas cancelaram viagens não essenciais à medida que o surto se espalha.
Reações de GM e Ford
A Ford Motor disse que suas fábricas na América do Norte continuam inalteradas. No caso da General Motors, a montadora disse que não teve nenhum caso em suas fábricas norte-americanas ainda, mas como a montadora número 1 dos EUA iria responder a um teste positivo dependeria da situação.