Toyota adia retomada de produção no Brasil para fim de junho

O retorno das atividades está previsto para 22 de junho em São Bernardo do Campo, Indaiatuba e Porto Feliz. A unidade de Sorocaba volta em 24 de junho. A Toyota do Brasil anunciou nesta segunda-feira (13) que adiou para o final de junho a retomada de suas quatro fábricas paradas no país. A medida foi acordada com sindicatos para suspender temporariamente contratos de trabalho de funcionários da produção.
Coronavírus: veja os efeitos na indústria automotiva
O retorno das atividades está previsto para 22 de junho em três das fábricas: São Bernardo do Campo, que produz peças de reposição e motores, Indaiatuba, que fabrica o Corolla, e Porto Feliz, que produz motores. A unidade de Sorocaba, que produz Etios e Yaris, tem previsão de reinício em 24 de junho.
“A Toyota continuará avaliando a situação momento a momento, e caso entenda ser possível retomar as atividades antes do previsto, reverá esse cronograma, sempre seguindo as orientações das autoridades locais e, principalmente, colocando a saúde e o bem-estar de seus colaboradores e de seus familiares em primeiro lugar”, afirmou a montadora japonesa em comunicado à imprensa.
De acordo com a fabricante, colaboradores horistas e administrativos de todas as áreas e níveis terão seus salários líquidos preservados entre 75 e 100%, de acordo com a faixa de remuneração.
Os empregados que não tiverem seus contratos suspensos continuarão em regime regular ou de home office. A companhia emprega 6 mil funcionários no país.
GM também só volta em junho
A General Motors também anunciou medidas para minimizar os impactos causados pelo novo coronavírus em suas operações no Brasil. Entre elas, a empresa adiará investimentos, reduzirá cargas horárias e salários, e suspenderá contratos de trabalho em regime de layoff.
O pacote foi aprovado em uma assembleia digital promovida pelos sindicatos dos metalúrgicos locais e tem duração inicial de dois meses, com possibilidade de ser prorrogado ou cancelado, dependendo da situação da pandemia no país.