‘Tinha muitos planos pro Enem, mas não sei se vou conseguir’, diz aluno de favela de BH que sofre com ansiedade e falta de internet


As provas estão marcadas para os dias 17 e 24 de janeiro. Nesta semana, o G1 traz uma série de reportagens sobre os desafios enfrentados por candidatos da periferia de Belo Horizonte. Davidson Junio se sente mal preparado para fazer o Enem
Davidson Junio/Arquivo pessoal
Em maio de 2020, Davidson Junio, de 25 anos, dedicava quatro horas diárias de estudo para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Morador do Morro do Papagaio, na Região Centro-Sul de Belo Horizonte, ele contava com um cursinho popular e tentava se adaptar às aulas on-line, com a então recente crise provocada pela pandemia do novo coronavírus.
Mas, oito meses depois, ele vê o sonho de ser o primeiro da família a entrar em uma faculdade ficar cada vez mais distante.
“Eu tenho muita dificuldade de acompanhar as aulas direto porque a internet lá em casa é ruim, cai muito. Eu ainda trabalho de porteiro. Chego em casa muito cansado. Aula on-line para gente que é de periferia ficou muito ruim. Mas eu estou tentando. Estou me empenhando. É a luta, né?”, disse ele, que pretende fazer um curso na área de tecnologia de informação.
As provas do Enem estão marcadas para os dias 17 e 24 de janeiro. Nesta semana, o G1 traz uma série de reportagens sobre os desafios enfrentados por candidatos da periferia de Belo Horizonte.
Estudantes relatam dificuldades no estudo em ano atípico
Justiça nega pedido para adiar o Enem 2020
Portões abrirão mais cedo para evitar aglomeração, diz Inep
Locais de prova: saiba como consultar onde você fará o Enem 2020
Crises de ansiedade
Além de se sentir mal preparado, Davidson tem medo de entrar em uma sala fechada com vários candidatos por causa da Covid-19. A pandemia o deixou com crises de ansiedade.
“Eu era um menino tão ativo. Um menino que não tinha nada. Tenho medo de contrair um vírus, matar pai e mãe. Pra mim o Enem tinha que ser adiado, mas eu vou fazer. Eu tenho que fazer”, disse ele.
Davidson mora com duas irmãs e com dois sobrinhos de 11 e 13 anos de idade. Ninguém da sua família ficou doente, mas o medo, o cansaço e a falta de estrutura têm paralisado sua vontade de melhorar de vida.
“Mexer com TI é meu sonho, né? Eu tinha muitos planos pra esse Enem, mas pelo jeito não sei se vou conseguir tirar a nota que pretendo”, desabafou.
Os vídeos mais vistos no G1 Minas: