Tela sintética é criada em Portugal para salvar vidas em incêndios

A tela reduz o poder do calor das chamas

A tela reduz o poder do calor das chamas
Stephen Lam/Reuters – 8.11.2018

Uma tela sintética idealizada por um grupo de portugueses pretende ser um das invenções mais revolucionárias no combate aos incêndios, já que os bombeiros podem usá-las para resistir às chamas e salvar vidas.

“Esta tela permite que, quando há chamas de quatro ou cinco metros de altura com temperaturas de 1.500 graus centígrados, ao colocá-la sobre um veículo, este fica isolado e a temperatura no seu interior será de 50 ou 60 graus, no máximo”, explicou à Agência Efe Xavier Viegas, professor da Universidade de Coimbra e coordenador do projeto.

A iniciativa faz parte do projeto “Fire Protect”, financiado com 700 mil euros de recursos públicos de Portugal, e os primeiros testes, tanto em laboratório como em uma área montanhosa, foram positivos.

Na Serra da Lousã, uma das áreas da Região do Centro de Portugal mais afetadas pelos incêndios florestais de 2017, nos quais mais de 100 pessoas morreram, foram realizados testes com carros de bombeiros cobertos com esta tela e “foi comprovado que ficavam isolados com temperaturas baixas”.

“A tela é sintética e foi criada com materiais muito específicos, onde as pessoas podem ficar isoladas no seu interior em torno de cinco ou dez minutos, que é o tempo que durará, mais ou menos, em meio às chamas”, detalhou Viegas.

Esta tela também servirá para que as pessoas que forem surpreendidas pelas chamas possam proteger seus veículos.

“Comprovamos que muitas pessoas morrem durante o trajeto no qual decidem mudar seu carro de lugar com a proximidade de algum incêndio florestal, daí a utilidade desta tela”, argumentou o coordenador.

Além desta invenção, também foram patenteados outros dois produtos que ajudam a combater as chamas, com o objetivo de salvar pessoas e também bens materiais.

É o caso de um “inovador sistema de irrigação para proteger as imediações de uma casa que está no campo”, disse Viegas.

Com uma reserva própria de água e sistema de bombeamento, foi desenvolvida uma estrutura de irrigadores que despeja água em todo o perímetro exterior – até cinco ou seis metros – e, quando as chamas se aproximam, acabam se extinguindo, já que toda a vegetação está molhada.

Segundo Viegas, este sistema de proteção tem um controle remoto incorporado para que, caso os donos não estejam em casa, seja possível ativá-lo à distância.

O terceiro produto patenteado é uma tela protetora que cria uma barreira em torno de infraestruturas construídas em uma área florestal, sobretudo antenas e torres de transmissão de energia.

A tela é colocada ao redor da infraestrutura e impede o fogo de afetar seu interior.

O objetivo, segundo Viegas, é que o produto possa ser comercializado o mais rápido possível, por isso já foram iniciadas algumas ações tanto em Portugal como na região espanhola de Valência.

Uma equipe da Coreia do Sul também está colaborando para que estas três patentes possam ser usadas no país asiático no combate de incêndios florestais.