Teatros da Broadway ficarão fechados até janeiro de 2021 devido ao coronavírus


Plano era reabrir casas de espetáculo em setembro, mas opção ficou inviável com as exigências de distanciamento social para plateias, atores e equipes de produção. Broadway vai permanecer fechada até janeiro de 2021; foto de arquivo mostra Teatro Shubert fechado por conta da pandemia
Reuters/Mike Segar/File Photo
Os teatros da Broadway ficarão fechados até pelo menos o dia 3 de janeiro de 2021, disse nesta segunda-feira (29) o Broadway League, grupo que representa a indústria, prorrogando por mais quatro meses o isolamento provocado pelo coronavírus.
Os teatros da cidade de Nova York, que baixaram as portas em meados de março, haviam estabelecido o dia 6 de setembro como data em potencial para a reabertura, mas as exigências de distanciamento social para plateias, atores e equipes de produção tornaram impossível a retomada de peças e musicais.
Trinta e um espetáculos da Broadway estavam em produção quando o isolamento começou. Aqueles que voltarem devem fazê-lo ao longo de uma série de datas flexíveis no começo de 2021, informou a Broadway League em um comunicado.
A organização está desenvolvendo medidas de proteção para ajudar a evitar a disseminação do coronavírus entre espectadores, artistas e equipes.
Fechada, Broadway pede apoio do governo para evitar ‘catástrofe’ durante a pandemia
Os produtores de alguns shows, incluindo a versão teatral do musical da Disney “Frozen”, disseram que não vão retornar.
Outros estão olhando ainda mais longe e mirando a primavera local de 2021. A estreia de “The Music Man”, estrelada por Hugh Jackman, foi transferida de outubro de 2020 para maio de 2021.
Os ensaios de “Music Man” deveriam ter começado em 29 de junho, mas por causa da proibição da cidade de Nova York a aglomerações foram reagendados para o início de fevereiro.
Cartaz avisa que apresentações do espetáculo “O Rei Leão” na Broadway foram adiadas inicialmente até a semana do dia 13 de abril por conta do coronavírus
AP Photo/Kathy Willens
Como o medo do coronavírus está alterando rota do pop