Tamanduá-bandeira é resgatado pelo Corpo de Bombeiros em lagoa de tratamento de água em Dracena


Após a captura, o animal foi solto na natureza. Espécie suporta certa proximidade com o homem, sobrevivendo em áreas de lavouras e até perto de cidades. Tamanduá-bandeira é resgatado em lagoa de tratamento de água pelo Corpo de Bombeiros
Corpo de Bombeiros
Um tamanduá-bandeira (Myrmecophaga tridactyla) foi resgatado em uma lagoa de tratamento de água pelo Corpo de Bombeiros nesta quinta-feira (14), no bairro Córrego das Antas, em Dracena (SP).
De acordo com a corporação, o animal havia caído na lagoa, que está desativada, e, depois de ser resgatado, foi solto na natureza.
Olfato apuradíssimo
A espécie tem distribuição em campos e cerrados das Américas Central e do Sul, desde a Guatemala até a Argentina.
São insetívoros. Comem apenas formigas e cupins. Abrem os cupinzeiros e os formigueiros com as garras poderosas. Eles introduzem a longa língua, com diâmetro entre 1cm e 1,5cm, que pode se projetar a 60cm para fora da boca. Os insetos ficam grudados na língua e, desta forma, o animal apenas os engole.
Tamanduá-bandeira é resgatado em lagoa de tratamento de água pelo Corpo de Bombeiros
Corpo de Bombeiros
Os tamanduás-bandeira são os únicos mamíferos terrestres que não possuem dentes. Os tatus e preguiças possuem dentes incompletos, sem a presença de esmalte. Seu comprimento da cabeça e do corpo é de 1 a 1,2 metro. Só de focinho são quase 45 centímetros e tem ainda a cauda, com 60 a 90 centímetros. A cauda tem pelos longos que formam uma espécie de bandeira, o que serviu para adjetivação de nome vulgar.
VEJA TAMBÉM:
Mãe tamanduá-bandeira, carregando filhote nas costas, é flagrada em área de reflorestamento em Presidente Epitácio; veja VÍDEO
Animal de hábitos diurnos, normalmente vagaroso, mas quando perseguido pode fugir em galope. O famoso abraço de tamanduá, tido como símbolo de traição, é praticamente a única defesa desse animal desajeitado e de visão e audição muito limitadas. O melhor sistema de alerta do tamanduá-bandeira é o olfato, que é apuradíssimo.
Ao pressentir o perigo, ele faz uso de articulações extras e levanta as patas dianteiras, apoiando o peso num tripé formado pelas duas patas traseiras e a cauda. É a posição de defesa, mas mesmo assim o tamanduá-bandeira suporta certa proximidade com o homem, sobrevivendo em áreas de lavouras e até perto de cidades.
Tamanduá-bandeira é resgatado em lagoa de tratamento de água pelo Corpo de Bombeiros
Corpo de Bombeiros
Tamanduá-bandeira é resgatado em lagoa de tratamento de água pelo Corpo de Bombeiros
Corpo de Bombeiros
VÍDEOS: Tudo sobre a região de Presidente Prudente
Veja mais notícias em g1 Presidente Prudente e Região.