‘Sol da meia-noite’, novo livro da saga ‘Crepúsculo, é lançado nesta terça


Livro reconstitui história da série pela perspectiva de Edward Cullen. Nesta nova foto de ‘Amanhecer’, último capítulo da saga vampiresca ‘Crepúsculo’, é visto o anel de casamento dado pelo vampiro Edward (Robert Pattinson) à humana Bella (Kristen Stewart). O longa, aguardada continuação da série de filmes baseados nos roman
Divulgação
Mais de uma década após sua publicação, a saga “Crepúsculo” ganha mais um livro: “Sol da meia-noite”, da autora Stephenie Meyer, chega às livrarias de todo o mundo nesta terça (4).
A saga, formada por quatro livros, narrava a história de amor entre Bella Swan e o vampiro Edward Cullen. A história era contada pela protagonista.
Livrarias de volta: Como lojas reabriram no Brasil
Autoajuda e finanças são livros mais vendidos da quarentena
Em “Sol da meia-noite”, o encontro e a história do casal serão narrados por Edward Cullen. O livro vai contar fatos inéditos da relação dos dois e sobre a batalha entre os clãs de vampiros.
“É um momento louco agora e eu não tinha certeza de que esse era o momento certo para publicar este livro, mas alguns de vocês o aguardam há tanto tempo que não parecia certo fazer vocês esperarem mais”, disse Meyer, ao anunciar a data de lançamento.
A editora Little Brown disse que, pelos olhos de Edward, a história assume uma “nova obscuridade”. “Conhecer a bela e misteriosa Bella é o evento mais intrigante e enervante que ele experimentou em sua longa vida como vampiro ”, afirmou, em comunicado.
Com o primeiro livro publicado em 2005, a saga vendeu mais de 100 milhões de cópias. A adaptação em cinco filmes, estrelada por Kristen Stewart e Robert Pattinson, arrecadou US$ 3,3 bilhões em bilheteria.
‘Sol da meia-noite’, novo livro da saga Crepúsculo
Divulgação
Manuscrito vazado
Meyer abandonou o projeto depois que parte do manuscrito foi publicado ilegalmente na internet em 2008. Na época, chamou o episódio de “uma enorme violação” de seus direitos como autora.
Em 2013, ela chegou a dizer à revista “Variety” que nunca mais escreveria sobre o universo de “Crepúsculo”, a não ser por “três parágrafos no meu blog, dizendo quais dos personagens morreram”. ​​
“Eu fico mais longe [de ‘Crepúsculo’] todos os dias . Para mim, não é um lugar feliz para se estar”, afirmou.