Silva recai no suingue com a brasilidade pop de ‘Sorriso de agogô’


Artista cita influência do maestro Erlon Chaves ao apresentar o segundo single do quinto álbum autoral gravado em estúdio. Capa do single ‘Sorriso de agogô’, de Silva
João Arraes
Resenha de single
Título: Sorriso de agogô
Artista: Silva
Composição: Lúcio Silva e Lucas Silva
Edição: Farol Music
Cotação: * * * 1/2
♪ Vinte dias após apresentar o estilizado ska pop Passou passou, lançado em 29 de outubro, Silva edita o segundo single do quinto álbum autoral de estúdio do artista.
Assim como Passou passou, música em que o cantor sustentou leveza pop compatível com trajetória que o levou a migrar da cena indie para o mainstream ao longo dos anos 2010, Sorriso de agogô é parceria de Lúcio Silva com o irmão, Lucas Silva, e chega ao mercado fonográfico – nesta quinta-feira, 19 de novembro – em single editado via Farol Music.
Como o título já sugere, Sorriso de agogô cai em suingue pop com leveza, fluência e tom ensolarado que remetem aos melhores momentos do anterior álbum autoral de estúdio do artista, Brasileiro (2018).
Na nota oficial em que apresenta o single Sorriso de agogô, Silva cita o maestro e pianista Erlon Chaves (1933 – 1974) como influência na formatação da gravação. Contudo, Sorriso de agogô se abre em outra direção. O sopro dos metais nem de longe evoca o contagiante balanço negro dos arranjos de Erlon.
O que se ouve é (mais) uma música explicitamente pop de Silva. E mal nenhum há nisso, cabe sempre enfatizar. Silva faz música pop, feliz, e ponto.
Música gravada com produção orquestrada pelo próprio artista, Sorriso de agogô faz parte da safra autoral de composições criadas por Silva com o irmão Lucas na paradisíaca cidade baiana de Caraíva (BA), para onde o cantor de Vitória (ES) migrou no começo do isolamento social.
Aliás, o clipe de Sorriso de agogô foi filmado em Caraíva (BA) sob a direção de Edvaldo Raw, em sintonia com a brasilidade pop do som de Silva na atual fase do artista.