Siamesas são separadas por cirurgia de mais de 30 horas em Bangladesh

Rafiqul Islam afirmou que as gêmeas estão em situação estável

Rafiqul Islam afirmou que as gêmeas estão em situação estável
EFE/Abir Abdullah – 02.08.2019

Uma equipe de médicos da Hungria e de Bangladesh conseguiram separar nesta sexta-feira (2) duas gêmeas siamesas de três anos unidas pela cabeça, em uma cirurgia que durou mais de 30 horas e que aconteceu em um hospital militar de Bangladesh.

A cirurgia, na qual participaram médicos húngaros e bengaleses, começou na quinta-feira (1º) e hoje, após 33 horas de trabalho, as meninas “estão sob observação”, segundo disse à Agência Efe o subdiretor do Departamento de Comunicação do Exército, Muhammad Nur Islam.

Leia também: Sucesso da separação de siameses depende do planejamento. Entenda

“Os médicos nos disseram que as duas evoluem bem e estão em situação estável”, declarou à Efe o pai das meninas Rabeya e Rukiya, Rafiqul Islam.

O pai agradeceu a ajuda recebida tanto em Bangladesh como no exterior, especialmente da organização humanitária húngara Ação pelos Desfavorecidos (ADPF), que tornou possível o aparente sucesso da cirurgia.

Saiba mais: A longa batalha dos médicos para separar irmãs siamesas ligadas pela cabeça

Na Hungria, as meninas foram preparadas durante sete meses para a cirurgia e, em 22 de julho, ambas retornaram a Bangladesh.

“Hoje nos sentimos aliviados”, reconheceu Islam, que sabe que o processo de recuperação será longo.

As meninas nasceram em 16 de julho de 2016 no distrito de Pabna, no norte do país.

Veja também: Separação das siamesas deve ser avaliada o quanto antes

O pai tinha contado à Efe em 2017 que os médicos nunca disseram que teriam gêmeas e que apenas foram informados de que a menina tinha uma cabeça com um tamanho maior do que o habitual.

“Foi triste quando vimos que as duas meninas tinham nascido com uma cabeça”, explicou então, ao assegurar, no entanto, que não tinham problemas para alimentá-las e que as pequenas agiam normalmente, exceto que quando uma dorme, a outra está desperta e quando uma ri, a outra chora.

Saiba mais: Gêmeas siamesas recebem alta após 36 dias da separação dos crânios

Nesse mesmo ano, uma equipe médica do hospital universitário Bangabandhu Sheikh Mujib de Daca começou a avaliar a possibilidade de operar as siamesas, uma cirurgia de grande complexidade para a qual foi solicitada ajuda estrangeira.