Salão do Automóvel da Alemanha deixará Frankfurt depois de quase 70 anos


Organização irá escolher entre Berlim, Munique e Hamburgo como próxima sede. Eventos do tipo têm sofrido com a ausência de grandes fabricantes. Salão de Frankfurt 2019
Daniel Roland/AFP
O IAA, principal evento automotivo da Europa, e um dos maiores do mundo, mudará de casa, e não será realizado em Frankfurt no ano que vem, depois de quase 70 anos.
Nesta quarta-feira (29), a associação das fabricantes de veículos da Alemanha, VDA, informou que a edição de 2021 deverá ser realizada em Berlim, Munique ou Hamburgo. A definição será nas próximas semanas.
Conhecido exatamente como Salão de Frankfurt, o IAA tinha a cidade como sede desde 1951. A mostra é realizada a cada dois anos, se alternando com o Salão de Paris.
A VDA não informou as razões para a mudança, mas, no comunicado, deu algumas pistas sobre as causas. Em um trecho, a entidade afirmou que as cidades candidatas a sede do IAA “desenvolveram ideias interessantes sobre como melhorar a mobilidade urbana e sustentável em sua região”.
O novo foco do IAA deve ser a mobilidade urbana, além dos produtos, em si.
Salões em baixa
Ativistas bloqueiam avenida que dá acesso ao Salão do Automóvel, em Frankfurt, neste domingo (15)
Wolfgang Rattay/ Reuters
Nas últimas edições realizadas em Frankfurt, as fabricantes já apontavam nessa direção, mas a mostra vem sofrendo com a debandada de marcas.
Em 2019, a lista de ausências chamou a atenção, com 12 marcas a menos do que em 2017. Alguns dos vários pavilhões do centro de exposições sequer foram usados.
Além disso, a mostra foi alvo de protestos de ambientalistas, que pediram o fim dos motores a combustão.
A chanceler alemã Angela Merkel sai de um carro transparente durante sua visita ao Salão do Automóvel de Frankfurt, na Alemanha
Michael Probst/AP
A indústria tem buscado soluções mais baratas e eficazes aos salões. Exibir os veículos por uma ou duas semanas costuma ser muito mais caro do que realizar ações mais direcionadas aos consumidores.
O fenômeno não é exclusivo de Frankfurt. Os últimos salões de Paris, Detroit e Genebra também sofreram com as baixas. E, mesmo a mostra de São Paulo, parece ameaçada. A BMW já confirmou que não estará no São Paulo Expo, em novembro.
Talvez a mudança de casa possa trazer um novo ânimo para as fabricantes.