Roger Waters lança filme que conta a turnê “Us + Them”

Em entrevista ao Jornal da Globo, Roger Waters fala sobre protestos contra o racismo nos EUA e a preparação para a próxima turnê. Roger Waters lança filme que conta a turnê “Us + Them”
Entre 2017 e 2018, quase 2,5 milhões de pessoas mundo afora assistiram o ex-membro do Pink Floyd na turnê “Us + Them” e os shows no Brasil causaram várias polêmicas.
Roger Waters isolado em uma casa em Nova York é Picasso sem tinta, Ferrari sem gasolina, mas em uma situação um pouco melhor. Hoje, pelo menos, a tecnologia permite gravar músicas à distância.
“Mother”, originalmente no disco “The Wall” do Pink Floyd ganhou versão nova em maio.
Assim, o astro inglês mantém os músicos da banda em atividade e com pagamento em dia enquanto a Covid-19 não dá uma trégua.
‘This Is Not A Drill’ deveria ter começado no dia 8 de julho e foi adiada por causa da pandemia, mas deve passar pelo Brasil.
“Eu trabalho nesse show todo dia aqui no meu isolamento. Ele é desenhado para ginásios cobertos, com cenografia ao redor do público. Vai ser incrível”, conta Waters.
Em outubro de 2018, ele veio ao Brasil para fazer oito shows. As apresentações do conhecido ativista social em meio às eleições presidenciais repercutiram. Roger Waters fez do palco plataforma de campanha contra o então candidato Jair Bolsonaro.
Naqueles shows, Roger Waters também cantou com crianças de projetos sociais e deu voz à viúva de Marielle Franco, Mônica Benício, com quem se corresponde até hoje.
Tantas histórias transformaram a turnê “Us + Them” em um filme com trilha sonora de muitas gerações e fotografia de uma Inglaterra dos anos 70 afogada em toneladas de dióxido de carbono.
A Battersa Station era uma usina termoelétrica de carvão, mas hoje está virando um complexo gastronômico e residencial em Londres. Ela está na capa do álbum ‘Animals’ do Pink Floyd, no qual Roger Waters compara a crueldade dos homens aos instintos dos bichos. As letras fazem ainda mais sentido quase quatro décadas após terem sido escritas.
Em “Pigs”, ele diz: “Homem grande, homem porco, você é uma charada. Com a cabeça enfiada no prato de comida e dizendo ao outro: ‘continue cavando'”.
No show, enquanto o Roger canta isso, charges do presidente americano aparecem no telão.
Ao ser perguntado se esse é um personagem da sociedade que sempre esteve na cabeça do Roger enquanto ele escrevia as músicas, ele diz: “Bem, estava na cabeça do George Orwell quando ele escreveu ‘A Revolução dos Bichos’. É um tipo genérico e o Trump é apenas um exemplo extremo disso.”
Uma das guerras mais famosas do rock mundial tem o Roger Waters de um lado da trincheira. Em 1985, ele deixou o Pink Floyd e rompeu relações com aqueles amigos de infância. Nesses anos todos, a formação mais conhecida da banda tocou apenas uma vez, em 2005, em um festival beneficente em Londres.
David Gilmour e Nick Mason ainda estão vivos e ativos, mas reunir os três no futuro não é uma possibilidade.
“Você não pode jogar esses dois no mesmo saco, pelo menos para mim, porque Nick é meu amigo. Existe essa coisa também de que eu fui brigar na Justiça contra eles, mas eu nunca cheguei perto de um tribunal. Só fui me aconselhar legalmente para saber se eu poderia aposentar o nome da banda e me disseram categoricamente que não e aí eu disse que não quero o nome, não sou o Pink Floyd.”
O nome da banda vem de dois artistas do blues americano: Pink Anderson e Floyd Council. Ele é a prova da paixão que aqueles jovens ingleses, brancos, tinham pela música afro-americana nos anos 1960. O amor existe até hoje e reforça a luta da vida do Roger Waters por igualdade.
“De alguma forma, o ‘Black Lives Matter’ reabriu essa discussão, porque o racismo é endêmico, é muito destrutivo e nojento, como também é no Brasil. Sabe, antes de começar a viajar para o Brasil com frequência, eu sempre tive aquela fantasia de que o Brasil era tipo a Meca da igualdade racial. Quando eu cheguei ao Brasil, percebi como o país era racista. Mal podia acreditar e fiquei profundamente deprimido e decepcionado.”
Apesar dos gritos, dos gestos agressivos, das lutas intermináveis no palco e na vida, o que move Roger Waters é um ideal simples. Bucólico como a letra de uma de suas últimas músicas “Crystal Clear Brooks”.
“A nossa missão é um riacho de águas cristalinas, sabe? Quando a hora chegar, no último dia, nós teremos nos saído bem se formos capazes de dizer, enquanto o sol se põe em seu caminho final, que nós nunca desistimos. Fizemos o possível para que os nossos filhos pudessem nadar em riachos de águas cristalinas.” Confira a reportagem no vídeo acima.