‘Roblox’: Entenda o que é a plataforma de games que virou fenômeno entre crianças e adolescentes


Com 164 milhões de usuários mensais, sistema se popularizou entre jovens durante quarentena ao oferecer ferramentas para criação de jogos. ‘Roblox’: Entenda o que é a plataforma de games que virou fenômeno
Quem tem mais de 14 anos pode até não conhecer, mas aqueles que têm filhos muito provavelmente já ouviram falar alguma vez de um tal de “Roblox”. Assista ao vídeo acima.
Nesta semana, o G1 explica “Roblox”: o que é, como se tornou um fenômeno, os lucros de criadores que fazem parte da comunidade e os prejuízos de pais que tiveram até de procurar o Procon.
A plataforma online de games existe desde 2006, mas cresceu nos últimos cinco anos e se popularizou de verdade este ano, durante a pandemia de Covid-19.
Tanto que em agosto relatava ter mais de 164 milhões de usuários ativos por mês. Nos Estados Unidos, a empresa estimava que metade das crianças com menos de 16 anos jogava alguma das milhões de criações no catálogo.
Por isso, ao mesmo tempo em que é um fenômeno entre crianças e adolescentes, muitos adultos ainda tentam entender o que é, afinal, “Roblox”.
O que é ‘Roblox’?
‘Roblox’
Divulgação
Ao contrário do que parece para quem não conhece tão bem, “Roblox” não é um jogo em si.
Na verdade, se trata de uma plataforma online de games que também oferece ao público ferramentas para criarem seus próprios jogos – disponível de graça para computadores, aparelhos móveis e Xbox One.
No catálogo, os usuários encontram milhões de games, todos criados pela própria comunidade.
E não precisa possuir grandes conhecimentos de desenvolvimento. Tanto que não é difícil encontrar criadores de 13 ou 14 anos.

Guilherme Pinheiro e Fernanda Garrafiel/G1
E por que comparam tanto com ‘Minecraft’?
A semelhança com “Minecraft” – outro sucesso entre os jovens – é inevitável por causa dos gráficos mais simples, com estilo baseado em blocos, e das mecânicas menos complexas que a dos grandes lançamentos.
A comunidade pode criar os próprios jogos com o ‘Roblox Studio’
Reprodução/YouTube/Roblox
Além da própria ideia de criação dentro dos mundos virtuais e do público formado em sua grande maioria por crianças.
Mas as semelhanças param por aí. Afinal, é possível criar muita coisa no game da Microsoft, mas eles ainda seguem as regras básicas de construção e mineração. Já em “Roblox”, a ideia é inventar jogos completamente novos.
Mas a variedade é muito grande. Tem jogo de tiro, de corrida, de quebra-cabeça, de RPG. Enfim, os usuários não precisam se concentrar em apenas um. E mais cedo ou mais tarde acabam encontrando algo para passar o tempo.
Mas como virou esse fenômeno?
A plataforma foi lançada em 2006 para cerca de 100 usuários. O começo foi lento, até porque os desenvolvedores, David Baszucki e Erick Cassel, não tinham muito interesse em divulgação.
O crescimento veio mesmo nos últimos cinco anos, principalmente depois de atrair a atenção da Microsoft e ganhar versão para Xbox. Em 2015, eram 5 milhões de usuários mensais. Dois anos depois, o número chegava a 62 milhões.
Dentro de seu catálogo, ‘Roblox’ conta com milhões de jogos dos mais variados
Reprodução
A comunidade aumentou ainda mais com a pandemia, já que o sistema permite que usuários joguem com amigos em ambientes online e até façam novas amizades.
O sucesso se sustenta no conceito de que os usuários podem criar os próprios jogos de maneiras simples e direta. Então, quanto maior a comunidade, mais jogos aparecem, mais pessoas são atraídas e, por sua vez, se interessam em fazer seus próprios games.
O dinheiro vem de onde, então?
“Roblox” é de graça, mas não completamente. A base dos lucros da plataforma vem dos itens vendidos para a personalização de avatares.
Jogadores podem personalizar seus personagens no jogo com itens vendidos na plataforma
Reprodução
O sistema até tem algumas outras formas de ganhar dinheiro, como assinaturas premium que oferecem algumas vantagens, mas a maior parte vem dos produtos cosméticos – coisas como roupas, bolsas, e até cabelos para os bonecos controlados pelos jogadores.
E até isso funciona através de parcerias da empresa com o público. Esses itens são criados por desenvolvedores selecionados, que ganham uma porcentagem das vendas.
Os criadores dos games também podem conseguem lucrar através de objetos parecidos vendidos dentro de seus jogos, ou até de outros serviços.
Se é online, é seguro?
Como em qualquer comunidade online com milhões de jogadores em todo o mundo, claro que há seus riscos, nas criações dos próprios usuários e nas conversas.
Mas a plataforma, construída para crianças e adolescentes, tem alguns mecanismos para tentar manter seus usuários seguros.
‘Roblox’
Divulgação
Entre as criações, a empresa revisa tudo o que é de fora e é usado nos jogos. Além disso, equipes espalhadas pelo mundo monitoram o que é publicado.
Já o sistema de mensagens conta com filtros que bloqueiam palavras ofensivas em diversos idiomas, mesmo aquelas que não seguem a grafia padrão.
No entanto, como em tudo o que envolve crianças em ambientes virtuais, é importante que pais acompanhem a atividade dos filhos.