Rio de Janeiro tem a menor cobertura na vacinação contra a gripe; veja situação nos estados


Segundo o Ministério da Saúde, 71,6% do público-alvo foi vacinado em todo o país, conforme balanço do dia 27. Meta nacional do governo é vacinar 90% até a sexta-feira (31). Secretaria de Saúde do DF realiza campanha de vacinação contra gripe até 31 de maio
Andre Borges/Agência Brasília
A Campanha Nacional de Vacinação, que começou em 10 de abril, atingiu 71,6% do público-alvo em todo o país, de acordo com o balanço mais recente do Ministério da Saúde. No entanto, quase 17 milhões de pessoas ainda não tomaram a vacina, que é a melhor forma de prevenção contra doença.
No Rio de Janeiro, estado que tem a menor cobertura vacinal do país, o governo estadual decidiu prorrogar a campanha por mais 15 dias.
Belo Horizonte amplia prazo para vacinação
Pará prorroga a campanha contra a gripe
Em Sorocaba (SP), na segunda, o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta disse que a campanha sempre é prorrogada em pontos onde a meta não é atingida e a medida deve ser repetida neste ano.
Segundo o ministério, em todo o Brasil mais de 42 milhões de pessoas já procuraram uma unidade de saúde para se vacinar.
Os principais alvos da campanha são gestantes, mulheres que deram à luz há menos de 45 dias, crianças menores de seis anos, idosos, pessoas com doenças crônicas, trabalhadores da área de saúde, professores e povos indígenas (leia mais abaixo).
Quando considerada a situação por público-alvo, as crianças estão abaixo da média geral e alcançavam 67,56% até o dia 27 de maio.
Veja abaixo o status da campanha de vacinação nos estados:
Status da campanha de vacinação
Veja também a situação por público-alvo:
Status da vacinação por público-alvo
Quem deve tomar a vacina?
Conforme orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), as vacinas oferecidas gratuitamente pelo governo são destinadas a:
Crianças de 6 meses a 5 anos de idade;
Gestantes;
Puérperas, isto é, mães que deram à luz há menos de 45 dias;
Idosos;
Profissionais de saúde, professores da rede pública ou privada, portadores de doenças crônicas, povos indígenas e pessoas privadas de liberdade;
Portadores de doenças crônicas (HIV, por exemplo) que fazem acompanhamento pelo SUS.
Quem não faz parte dessas categorias pode adquirir a vacina contra a gripe na rede privada por cerca de R$ 100 a R$ 150.
A vacina não é capaz de causar a gripe em quem recebe. Ela permite que o paciente fique imune aos tipos de vírus mais comuns em circulação sem ficar doente.
Campanha de vacinação contra a gripe termina na sexta (31), mas no Rio ela será prorrogada