Resgatada há 4 anos, onça-pintada passa por adaptação para receber visitas no Bioparque da Amazônia


‘Fera’ chegou há duas semanas na casa nova; antes animal vivia no Cetas, do Ibama. Visitas são liberadas em dias alternados. Resgatada há 4 anos, ‘Fera’ passa por adaptação para receber visitas no Bioparque da Amazônia
Rafaela Bittencourt/Rede Amazônica
O Bioparque da Amazônia, em Macapá, está de morador novo. Com 5 anos de vida, “Fera” é uma onça-pintada macho, que chegou ao local na segunda quinzena de fevereiro e passa por adaptação para incluir na rotina as visitas do público. Antes, ele só tinha convivência com especialistas.
veja mapa e serviços das quase 30 atrações do Bioparque da Amazônia
Fera vivia na natureza até que perdeu a mãe, foi resgatado ainda bebê, há 4 anos, e passou a ser criado em cativeiro no Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas) do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), na Zona Norte da cidade.
Ele chegou no espaço com 44 quilos e, na adaptação, a dieta é rica em proteínas, o que já fez ele ganhar peso nessas duas semanas.
É a primeira vez que Fera tem que lidar com visitas da população
Rede Amazônica/Reprodução
Aproveitando o novo casarão, o animal já teve o primeiro contato com vários seres humanos no último fim de semana. E é um processo que pode ser longo, de acordo com a reação dele, explica a bióloga Cleice Gomes, que acompanha o Fera.
“Ela [a onça] tem comido 5 quilos de carne, que varia de carne vermelha, frango ou peixe, todos os dias. A limpeza do local, a troca da água e o banho dela é todo dia. É assim até ela se adaptar ao espaço, para que não fique tão estressada. Como ela nunca teve contato com o público, a gente faz um teste devagar”, comentou.
Animal está há duas semanas em adaptação
Jorge Júnior/Rede Amazônica
Ainda segundo a bióloga, a onça respondeu bem ao primeiro teste, a tranquilidade é o que reina no Fera.
O crescimento e a rotina regrada é responsabilidade do cuidador Rosivaldo dos Santos. É ele quem entra na toca da onça para cuidar, dar comida e limpar o local. Ele também amou a novidade, já que já tem experiência com esse tipo de animal.
Fera vive em cativeiro dentro do Bioparque da Amazônia
Rede Amazônica/Reprodução
Santos cuidou das outras 6 onças que viveram no Bioparque antes da reinauguração do espaço, no fim de 2019.
“Tinha 6, né? 4 pintadas, uma sussuarana e uma preta. Elas já se foram por causa da velhice, algumas complicações também. A gente estava com tanta saudade que agora veio essa bênção pra gente, essa fera. Eu fico direto com ele, entrando em contato direto para se acostumar com a gente, com a voz, com o manejo, para criar um vínculo”, detalhou o cuidador.
Outras 6 onças já viveram na área onde atualmente é o Bioparque; duas últimas moradoras eram uma negra e uma onça-pintada
Jéssica Alves/G1
Vivendo em cativeiro, a onça-pintada pode chegar a até 20 anos de vida, segundo a bióloga. O espaço preparado para o animal deve contar com uma piscina, que ainda está sendo preparada.
A administração ressaltou que o período de adaptação do animal segue sem prazo determinado. Por isso, não há como determinar em quais dias ele pode ser visitado no local.
Fera passa por adaptação para receber visitas no Bioparque da Amazônia
Rafaela Bittencourt/Rede Amazônica
Para ler mais notícias do estado, acesse o G1 Amapá.