Renault apresenta proposta para recontratar 747 trabalhadores demitidos em julho


Acordo foi feito em conjunto com o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba, nesta segunda-feira (10). Fabricante havia justificado as demissões pelo agravamento da crise gerada pela Covid-19. Fábrica da Renault apresenta proposta para recontratar mais de 700 funcionários
A fábrica da Renault apresentou nesta segunda-feira (10) uma proposta para recontratar os 747 trabalhadores dispensados no fim de julho aos postos de trabalho.
O acordo foi feito em conjunto com o Sindicato dos Metalúrgicos da Grande Curitiba (SMC).
Os funcionários precisam votar pela internet se aprovam ou não a proposta até as 14h de terça-feira (11) ou até atingir 80% dos votantes.
No dia 21 de julho, a fabricante anunciou o fechamento do terceiro turno de produção da planta de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.
No dia seguinte, os trabalhadores entraram em greve. À época, o Sindicato dos Metalúrgicos informou que a paralisação ocorreria até a negociação sobre a reversão das demissões.
A empresa justificou as demissões no dia 21 de julho “em função da necessidade de adequação do quadro, motivado pelo agravamento da crise gerada pela Covid-19”. A montadora afirma que as vendas caíram 47% no primeiro semestre e não há perspectiva de retomada do mercado.
Caso seja aprovada a proposta, a greve será encerrada e os trabalhadores voltam ao expediente normal há partir da quarta (12), com exceção dos 747 trabalhadores readmitidos, que ficarão em casa mas recebendo salário, até que seja concluído o Plano de Demissão Voluntária (PDV), em 20 de agosto.
Renault apresenta proposta para recontratar 747 trabalhadores demitidos em julho
Reprodução/RPC
Decisão judicial
Em 6 de agosto, a Justiça do Trabalho havia aceitado um recurso do Ministério Público do Trabalho (MPT) para reintegrar os funcionários demitidos.
No entendimento da juíza do trabalho Sandra Mara de Oliveira Dias, a fábrica, ao optar pela demissão em massa dos trabalhadores, descumpriu um acordo firmado previamente com o Ministério Público do Trabalho (MPT) de submeter esse tipo de decisão a uma negociação coletiva com o sindicato que representa os profissionais.
Ainda conforme a decisão judicial, a dispensa coletiva sem prévia negociação coletiva violou a Constituição Federal.
“Em especial os princípios constitucionais da intervenção sindical nas questões coletivas trabalhistas (art. 8º, III e VI), do diálogo social e da valorização da negociação coletiva (art. 114, § 1º e 2º). Desse modo, tem-se por configurada a inconstitucionalidade de dispensas coletivas sem prévia negociação coletiva”, diz outro trecho da decisão.
Fábrica da Renault em São José dos Pinhais, no Paraná
Divulgação
Veja mais notícias do estado no G1 Paraná.