Remédio para diabetes e jovialidade reduz efeito de exercícios

Popular contra a diabetes e indicado para retardar o envelhecimento, pesquisadores descobriram que a metformina pode enfraquecer os êxitos obtidos com atividades físicas.

A metformina é uma das medicações mais comuns a serem prescritas para quem tem diabetes tipo 2. Afinal, ela age no controle de nível de açúcar no sangue e na sensibilidade à insulina. O remédio é usado também a pacientes de diabetes tipo 1 para complementar a insulinoterapia; e para Síndrome dos Ovários Policísticos.

Como foi feito o estudo

A pesquisa, publicada na revista científica Aging Cell, foi realizada por cientistas norte-americanos, como da Fundação de Pesquisa Médica de Oklahoma. Eles selecionaram 53 homens e mulheres sedentários com média de 60 anos. A maioria apresentava fatores de risco para desenvolvimento de diabetes tipo 2 (como histórico familiar), mas não eram diabéticos.

Todos tiveram de praticar exercícios físicos e ingerir metformina. Antes de iniciarem as práticas, foram avaliados a aptidão física, níveis de açúcar no sangue, sensibilidade à insulina e massa corporal.

Em seguida, iniciaram um programa monitorado de atividades físicas de quatro meses, com exercícios três vezes por semana. Os exercícios incluíam correr na esteira ou pedalar na bicicleta ergométrica por 45 minutos. Ao final do período, as análises foram repetidas para comparação.

Resultados

Por um lado, a maioria dos participantes apresentou melhor controle de açúcar no sangue. Por outro lado, ganharam menos condicionamento físico e pouca (quando alguma) melhora em relação à sensibilidade para insulina e à forma física.

Também foram avaliados os músculos dos voluntários em microscópio. As células musculares, após ingerirem metformina, não apresentaram nenhuma ou baixíssima alteração na respiração mitocondrial, que normalmente ocorre ao realizarmos exercícios físicos. Vale ressaltar que as mitocôndrias são como centros produtores de energias nas células.

O medicamento apresentou efeito contrário: inibiu os reais ganhos advindos de atividades físicas. “Os achados realmente nos dão razão para pensar de forma um pouco mais cautelosa sobre a combinação de metformina e exercício em pessoas saudáveis. Não houve um efeito complementar ao juntar os dois. Pelo contrário, a metformina e o exercício aparentemente não trabalham bem juntos”, afirmou Miller, um dos pesquisadores responsáveis pelo estudo.

Mas, segundo os cientistas, isso não significa que o uso de metformina deve ser interrompido. O ideal é seja feito o acompanhamento junto a um médico sobre os efeitos da medicação de forma individual.