Reforma da Previdência vai viabilizar investimentos, diz secretário da pasta


Rogério Marinho defendeu que com a situação fiscal equilibrada será possível ao país investir em serviços públicos que atendem à população mais frágil. Participantes do 31º Fórum Nacional, no Rio
Daniel Silveira/G1
O Secretário Especial da Previdência, Rogério Marinho, voltou a dizer nesta quinta-feira (9) que a população mais pobre do país será a mais beneficiada pela reforma previdenciária. Ele afirmou que as mudanças propostas pelo governo vão equilibrar as contas públicas, viabilizando investimentos no país.
Reforma da Previdência: entenda a proposta ponto a ponto
Calculadora: quando vou me aposentar se a reforma passar sem alterações?
“A população brasileira que mais vai ganhar com a nossa higidez fiscal é a mais pobre, a mais frágil, a mais vulnerável”, disse Marinho ao discursar no 31º Fórum Nacional, realizado no Centro do Rio, que aconteceu em uma das sedes do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).
Na véspera, Marinho já havia defendido que os mais pobres serão os mais beneficiados com a reforma da Previdência, alegando que 15% dos mais ricos acumulam 47% da renda previdenciária. Já em seu discurso no Fórum Nacional, ele usou como argumento a oferta de serviços públicos.
Segundo o secretário, devido à crise fiscal o Brasil “perdeu a capacidade de resolutividade, de atender as demandas dessa população”. A reforma previdenciária é apontada pelo governo como fator determinante para reequilibrar o quadro fiscal do país.
“Quem precisa de saúde pública é porque não tem dinheiro para pagar plano de saúde. Quem precisa da escola pública é quem não pode pagar pelo ensino privado”, lembrou Marinho ao reforçar a necessidade do país voltar a investir nos serviços básicos.
Ele ressaltou, ainda, que a capacidade de financiamento do país diminui a cada ano “e poderá chegar a zero já em 2022 se nada for feito”.