Programa que amplia o horário de atendimento nas unidades de saúde da família atrai 29 cidades


São 151 unidades de saúde. Meta é atingir 1 mil neste ano. A adesão é voluntária. Unidade Básica de Saúde em Ribeirão Preto, SP
Foto: Antonio Luiz/EPTV
O programa de ampliação do atendimento na saúde básica atraiu 29 das 400 cidades aptas a participarem da iniciativa ou 151 unidades de saúde da família entre as 2.289 que poderiam fazer parte do projeto, segundo mapeamento do governo. A adesão é voluntária. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (23) pelo Ministério da Saúde.
O número representa 7,25% dos municípios ou 6,59% das unidades de saúde que têm estrutura para fazerem parte da iniciativa. A meta para este ano é atrair até 1 mil unidades de saúde.
O governo lançou o programa há uma semana e a adesão foi aberta na sexta-feira (17). De acordo com Erno Harzheim, secretário de Atenção Primária à Saúde, o número é satisfatório.
“Foram quatro dias de adesão aberta, e são 15% da meta deste ano. Daqui a pouco vou ter que ir no gabinete do ministro pedir mais recursos para atender a demanda”, afirmou.
O programa tem orçamento de R$ 150 milhões, que serão transferidos para os municípios aplicarem na ampliação do serviço. Os repasses dependem do tamanho das equipes.
“O financiamento é suficiente para responder por aproximadamente 50% do custo, claro que tem que ter a contrapartida municipal. Mas estamos dobrando o valor que anteriormente repassávamos para estas cidades”, afirma Harzheim.
O Ministério da Saúde disse que, das 151 unidades que fizeram a solicitação, 110 delas tiveram os pedidos finalizados e agora passam por análise técnica. As demais 41 unidades encontram-se em processo de preenchimento de informações pelos gestores municipais de saúde.
Os estados com o maior número de inscrições são Paraná (47), Mato Grosso do Sul (33) e Santa Catarina (28).
Segundo o ministério, o objetivo para os anos seguintes é atrair até 1,3 mil unidades básicas de saúde em 2020; até 1,7 mil em 2021 e até 2 mil em 2022.
Governo vai priorizar grandes cidades na ampliação do horário de atendimento de unidades de saúde
A atenção primária funciona atualmente das 7h às 11h e das 13h às 17h, na grande maioria das cidades. A ideia é ter unidades abertas no horário do almoço, de noite e até aos finais de semana.
Tipos de unidades de saúde
O governo propõe os seguintes modelos de unidades de saúde:
atendimento de 60 horas semanais, sem saúde bucal
atendimento de 60 horas semanais, com saúde bucal
atendimento de 75 horas semanais, com saúde bucal
Requisitos:
abrir na hora do almoço
abrir à noite e, se quiser, aos finais de semana
manter atualizado o prontuário eletrônico
possuir infraestrutura adequada para comportar as equipes
50% dos atendimentos serão sem agendamento
oferecer consultas médicas e de enfermagem nos três turnos (manhã, tarde e noite)
oferecer consultas de pré-natal
oferecer vacinação
coletar exames
realizar pequenos procedimentos cirúrgicos, como suturas