Produção de motos deve chegar a 1,1 milhão de unidades em 2019, diz Abraciclo


Após desempenho com alta de 6,6% no primeiro trimestre, entidade elevou a estimativa de crescimento para o ano. Crise da Argentina faz projeção para exportações cair. Produção de motos em Manaus
Rafael Miotto/G1
A produção de motos no Brasil deve fechar 2019 com o total de 1,1 milhão de motos produzidas, estima a associação das fabricantes de motos, a Abraciclo.
Após alta de 6,6% no primeiro trimestre do ano, a entidade elevou a estimativa de crescimento no ano para 6,1% sobre o resultado de 2018, quando o setor chegou a 1.036.846 unidades produzidas.
Honda anuncia investimento de R$ 500 milhões para fábrica de motos em Manaus
A expectativa anterior, apresentada em dezembro do ano passado, era de 1.080.000 unidades, alta de 4,2% ante 2018.
“A retomada do setor de motocicletas no mercado interno no primeiro trimestre superou as expectativas. A estabilidade das taxas de juros no menor patamar histórico e a ampliação da oferta de crédito pelos bancos têm contribuído para a recuperação mais acelerada do setor”, afirma Marcos Fermanian, presidente da Abraciclo, em comunicado.
Primeiro trimestre
No acumulado dos três primeiros meses do ano foram produzidas no Brasil 276.835 motocicletas, enquanto no mesmo período de 2018 o setor havia atingido o patamar de 259.587 unidades.
Em março foram produzidas 91.537 motocicletas, queda de 3,3% na comparação com março de 2018 (94.649 unidades) e de 9,6% ante fevereiro (101.292 unidades).
“Tivemos 19 dias úteis em março, dois a menos que no mesmo mês do ano passado e um a menos que fevereiro”, explica Fermanian.
Exportações comprometidas
Ao contrário da produção total, as exportações estão em queda em 2019. No primeiro trimestre foram exportadas 11.382 motocicletas, queda de 51,2% ante mesmo período de 2018 (23.320 unidades).
Em março o volume exportado foi de 3.525 unidades, redução de 54,5% na comparação com o mesmo mês de 2018 (7.747 motocicletas). Em relação a fevereiro, houve aumento de 7,2% (3.287 unidades).
“Já em relação às exportações, o recuo está diretamente relacionado à redução dos embarques para a Argentina, principal destino das motocicletas fabricadas no Polo industrial de Manaus”, afirma Fermanian.
A Argentina foi o principal comprador de motocicletas brasileiras no primeiro trimestre, com 3.832 unidades, 37,7% do total, mas a crise tem afetado as compras de motocicletas brasileiras.
Em segundo lugar ficaram os Estados Unidos, com 2.224 unidades e 21,9% de participação, e em terceiro o Canadá, 1.488 unidades e 14,7% de participação. Os dados foram divulgados pela Abraciclo com base nos dados de comércio exterior Comex Stat .