Primeiro cruzeiro a retomar viagens turísticas na Noruega registra surto de Covid-19 na tripulação


Ao menos quatro tripulantes da embarcação testaram positivo para a doença; navio com 160 tripulantes está ancorado em um porto norueguês. Cruzeiro norueguês registra novos casos de coronavírus na tripulação após retomada das atividades, imagem de arquivo da embarcação MS Roald Amundsen
Reprodução/Hurtigruten/Arquivo
Quatro membros da tripulação de um cruzeiro norueguês estão com Covid-19, segundo o Hospital Universitário do Norte da Noruega. A instituição informou em nota que eles deram entrada no centro de saúde nesta sexta-feira (31).
A embarcação MS Roald Amundsen foi a primeira a retomar viagens turísticas no país e está parada no porto de Tromsø. O navio levava 160 tripulantes e mais 177 passageiros, que já desembarcaram.
Todos os 160 tripulantes do Roald Amundsen ficaram em quarentena no navio, enquanto os 177 passageiros – todos já desembarcados – estão sendo contatados por telefone e instruídos a se auto-isolarem, disse a operadora Hurtigruten à agência de notícias Reuters.
“Quando fomos notificados, os passageiros já haviam deixado o navio”, disse em entrevista coletiva chefe de saúde da cidade portuária, Kathrine Kristoffersen. “Por enquanto, todos os passageiros foram solicitados a permanecer em quarentena.”
Os quatro pacientes eram todos cidadãos estrangeiros, disse o hospital, ao mesmo tempo em que se recusam a detalhar seu estado de saúde ou nacionalidade.
Durante o cruzeiro, os passageiros eram frequentemente instruídos a se distanciar socialmente, a fim de reduzir o risco de doenças, disse uma passageira, Line Miriam Haugan, ex-ministra júnior do Ministério da Saúde da Noruega.
Infecção em navio japonês
Pequenas partículas suspensas no ar tiveram papel decisivo na transmissão da infecção pelo novo coronavírus em um navio de cruzeiro no Japão, que infectou mais de 700 pessoas no início deste ano, de acordo com estudo assinado por pesquisadores de Harvard.
Segundo o artigo, a transmissão pelo ar foi responsável por 59% dos contágios dentro da embarcação, e apenas 41% de todas as transmissões teriam sido feitas pelo contato com as gotículas de saliva. Para chegar a este número, os cientistas recriaram o surto em um computador e observaram os padrões nas taxas de contaminação.
O navio Diamond Princess foi apontada como um dos hot spots da epidemia ainda em fevereiro, quando poucos países confirmavam casos de Covid-19. Com mais de 3,7 mil passageiros, o navio chegou a ficar quase um mês de quarentena em um porto japonês.
Reportagem em atualização.