Previsão do tempo: calor intenso volta em todas as regiões do país; ar seco é motivo de alerta


Temperatura volta a subir no país e pode chegar próximo dos 40°C em algumas cidades. População deve ficar alerta com a baixa umidade relativa do ar, que chega a nível crítico em diversas regiões. Temperatura volta a subir em diversas cidades brasileiras ao longo dessa semana devido à uma grande massa de ar seco e quente sobre o país
AFP
Calor intenso em pleno inverno. Essa é a previsão do tempo a partir desta terça-feira (16) de Norte a Sul do Brasil. As temperaturas voltam a subir em diversas cidades e o baixo nível de umidade no ar é motivo de alerta para a população.
De acordo com o Climatempo, uma grande massa de ar quente e seco vai predominar sobre o país ao longo de toda esta semana. Os efeitos dessa condição climática tendem a ser mais evidentes na Região Centro-Oeste, no Sul da Amazônia, no interior nordestino, em Minas Gerais e no interior do Paraná.
Semana tende a ser de calor intenso de Norte a Sul do Brasil
Reprodução/Climatempo
A previsão indica que as temperaturas mais altas, próximas dos 40°C, devem ser registradas no Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Rondônia, Acre e Amazonas.
No interior do Paraná, em São Paulo e em Minas Gerais os termômetros tendem a chegar à casa dos 35°C.
Entre as capitais, as temperaturas mais altas, próximas dos 33ºC, devem ser registradas em Porto Alegre e no Rio de Janeiro. Na capital paulista, que chegou a registrar recordes de frio nas últimas semanas, a temperatura deve chegar aos 30°C – desde março os termômetros não chegam a essa marca por lá.
RELEMBRE: Vídeo mostra onda de frio de julho que fez brasileiros brincarem na neve
TEMPERATURA: Veja a previsão do tempo hoje na sua cidade
Umidade relativa do ar em nível crítico
O Climatempo destacou que a umidade relativa do ar vai atingir índices críticos, abaixo de 20%, no interior paulista, entre o noroeste de Minas e o Triângulo Mineiro, Mato Grosso do Sul, Goiás, Distrito Federal, Mato Grosso, oeste da Bahia, sul do Piauí e do Maranhão e Tocantins.
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a umidade relativa do ar ideal para saúde é entre 50% e 80%.
“Com a falta de chuva por vários dias, os problemas de saúde, em muitos casos, devem ser agravados neste período seco. Sem chuva e sem vento significativo, a poluição também tende a ficar bastante concentrada na atmosfera, piorando a qualidade do ar em muitas regiões”, destacou o Climatempo.
A umidade também tende a ser muito baixa, na faixa dos 30% na capital paulista, em Belo Horizonte, no sertão nordestino, em Rondônia e no Sul do Pará.
O ar tão seco pode desencadear diversos problemas de saúde, como complicações alérgicas e respiratórias, sangramento pelo nariz, ressecamento da pele, irritação dos olhos, entre outros. Diante disso, com a umidade relativa do ar em níveis tão baixos, os especialistas recomendam:
Beber bastante água;
Usar soro fisiológico para umidificar olhos e narinas;
Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11h e 15h;
Umidificar o ambiente através de vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com água, etc;
Permenecer em locais protegidos do sol, sempre que possível;
O Climatempo alertou, ainda, que com a umidade relativa do ar tão baixa e a estiagem prolongada, há risco de incêndios florestais em diversas regiões.