Prefeito que recusou pedido de propina de pastor diz que aguarda há 1 ano e 3 meses verba reivindicada ao MEC


Manoel do Vitorinho (PP), de Boa Esperança do Sul (SP), afirma que Arilton Moura pediu R$ 40 mil em troca de verba. Pastor e ex-ministro Milton Ribeiro estão entre presos de operação da PF. O prefeito de Boa Esperança do Sul (SP), Manoel do Vitorinho (PP)
Reprodução/EPTV
O prefeito de Boa Esperança do Sul (SP), José Manoel de Souza (PP), conhecido como Manoel do Vitorinho, que recusou pedido de propina de R$ 40 mil de pastor ligado ao Ministério da Educação (MEC), disse ao g1, nesta quarta-feira (22), que há mais de um ano espera a liberação de verbas da pasta para ampliação de uma escola infantil e compra de ônibus escolar.
A solicitação foi feita feita em 18 de março do ano passado, dia em que o prefeito diz ter rejeitado a oferta de Arilton Moura. O pastor teria pedido o suborno em troca de uma escola profissionalizante para o município.
Compartilhe no WhatsApp
Compartilhe no Telegram
Arilton é um dos presos em uma operação da Polícia Federal que investiga desvios de verbas no Ministério da Educação. O ex-ministro da Educação Milton Ribeiro também está entre os presos. Ribeiro é suspeito de corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência por suposto envolvimento em esquema para liberação de verbas do MEC.
LEIA TAMBÉM:
PF prende ex-ministro da Educação Milton Ribeiro
Entenda por que Milton Ribeiro, ex-ministro da Educação, foi preso
Prefeito de Boa Esperança do Sul relata que pastor pediu propina de R$ 40 mil
Pedidos de verba protocolados no MEC
O ministro da Educação, Milton Ribeiro, e o prefeito de Boa Esperança do Sul, Manoel do Vitorinho (PP)
Reprodução/Facebook
O prefeito Manoel do Vitorinho protocolou os pedidos de verba para a ampliação de uma escola de educação infantil do município e para compra de ônibus escolar em 18 de março de 2021, dia da reunião com o então ministro da Educação com cerca de 30 gestores municipais. Um ano e 3 meses depois, nenhuma verba chegou ao município.
“Até hoje Boa Esperança do Sul não foi contemplada com nenhum recurso do MEC. Inclusive na semana passada a gente recebeu um e-mail [do MEC], onde a gente teve que responder se o município tinha recebido algum recurso do MEC ou não. Essa também é nossa indignação, o MEC não tem um sistema que consiga ver os municípios que foram contemplados? Porém a gente segue à disposição para falar a verdade”, disse o prefeito ao g1 nesta quarta.
Ele também falou sobre a prisão do ex-ministro. “Realmente concretiza tudo aquilo que a gente denunciou, pra que realmente fosse cumprido mandado de prisão é porque realmente tem provas documentais. Agora se isso vai acabar com a corrupção, acho uma pergunta meio difícil de te responder”, afirmou.
O prefeito já prestou depoimento sobre o caso na Controladoria-Geral da União (CGU) e no Senado.
Pedido de propina em março de 2021
O ministro da Educação, Milton Ribeiro, com o pastor Arilton Moura em 30/11/2021
Luis Fortes/MEC
No dia em que fez os pedidos de verbas, após a reunião, o prefeito afirmou que o pastor Arilton fez a proposta de propina em um restaurante de hotel.
“Depois de protocolar, ele convidou para almoçar no restaurante do hotel e disse ‘é que lá vai estar o pastor Arilton e o pastor Gilmar, eles vão falar um pouquinho sobre as demandas que vão liberar para os municípios’. Pegamos um táxi e fomos”, disse o prefeito à EPTV, em março deste ano.
“Ele [Arilton] falou: ‘prefeito, você sabe como as coisas funcionam, não dá pra ajudar todas as cidades, mas eu posso ajudar seu município’. Perguntei como e ele [Arilton] disse que era com uma escola profissionalizante. Respondi que isso não era uma necessidade do município e ele disse: ‘olha prefeito, eu consigo fazer um papel, um ofício agora, te libero a escola, mas em contrapartida você precisa depositar R$ 40 mil na conta da igreja evangélica’. Eu levantei, bati no ombro dele e falei ‘muito obrigado, pastor. Pra mim, dessa forma, não serve!’”, contou na ocasião.
Pastor no MEC
Arilton é um dos pastores com trânsito livre no MEC e relação próxima com o ministro Milton Ribeiro. Uma reportagem do jornal ‘Folha de S. Paulo’ mostrou áudio de Ribeiro, em reunião com prefeitos, dizendo que repassa verbas do MEC a municípios indicados pelos pastores a pedido do presidente Jair Bolsonaro (PL).
Em nota divulgada em março, Ribeiro negou favorecimento a pastores e também que a prática ocorresse a pedido de Bolsonaro.
Ministro da Educação diz em áudio que prioriza amigos de pastor a pedido de Bolsonaro
Operação da PF
A operação da Polícia Federal prendeu na manhã desta quarta, em Santos (SP), o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro.
Uma fonte da PF em São Paulo disse à TV Tribuna que Milton Ribeiro deve ser levado para Brasília. Segundo o porteiro do prédio em que ele mora, o ex-ministro foi levado por volta das 7h.
Milton foi levado pela PF por volta das 7h do prédio onde mora em Santos
Nina Barbosa/g1 Santos
A prisão de Ribeiro foi determinada pela Justiça por causa de um suposto envolvimento em um esquema para liberação de verbas do MEC. O ex-ministro é investigado por suspeita de corrupção passiva; prevaricação (quando um funcionário público ‘retarda ou deixa de praticar, indevidamente, ato de ofício’, ou se o pratica ‘contra disposição expressa de lei, para satisfazer interesse ou sentimento pessoal’); advocacia administrativa (quando um servidor público defende interesses particulares junto ao órgão da administração pública onde exerce suas funções); e tráfico de influência.
A investigação envolve um áudio no qual Ribeiro dizia liberar verbas da pasta por indicação de dois pastores, Gilmar Santos e Arilton Moura, a pedido de Bolsonaro.
Veja mais notícias da região no g1 São Carlos e Araraquara.