Pintura de Botticelli é vendida por US$ 92,2 milhões


‘Jovem segurando um medalhão’ é uma das obras mais significativas do artista renascentista italiano, e foi leiloada pela Sotheby’s em Nova York. Quadro ‘Jovem segurando um medalhão’, de Botticelli
Tolga Akmen / AFP
Uma pintura do artista renascentista italiano Sandro Botticelli foi vendida por 92,2 milhões de dólares (cerca de R$ 498 milhões) nesta quinta-feira (28) em leilão realizado pela Sotheby’s em Nova York.
O quadro, chamado “Jovem segurando um medalhão”, é considerado um dos melhores retratos do artista e era a joia do leilão de grandes mestres.
O quadro de 58 x 39 cm representa um jovem de cabelos compridos segurando um medalhão redondo com um retrato religioso.
Sua identidade é desconhecida, mas os especialistas acreditam que poderia ser um amigo próximo à poderosa família florentina dos Medici.
O medalhão, que mostra um santo com a mão direita levantada, é uma obra de arte original do século XIV atribuída ao pintor de Siena Bartolommeo Bulgarini.
Os especialistas acreditam que a pintura data dos anos mais frutíferos de Botticelli (1445-1510), no final do século XV, quando o papa Sisto IV o convidou para ajudar a decorar a Capela Sistina em Roma. Durante esse período, ele produziu algumas de suas obras mais famosas, entre elas “O nascimento de Vênus” e “A Primavera”.
“O preço alcançado o torna não apenas um dos retratos mais valiosos de qualquer época já vendido, mas também a segunda pintura de antigos mestres mais valiosa já vendida em leilão”, disse a Sotheby’s em sua conta no Twitter.
“A imagem simboliza a Renascença em Florença, quando tudo mudava fundamentalmente no pensamento, na arte e na literatura do Ocidente”, explicou Christopher Apostle, chefe do departamento de obras-primas da Sotheby’s.
O retrato esteve nas mãos de várias gerações de uma família aristocrática do País de Gales por cerca de 200 anos.
O recorde anterior em leilão para o mestre florentino, cujo nome de nascimento era Alessandro di Mariano Filipepi, foi de US$ 10,4 milhões para “Madona e o Menino com São João Batista”, vendido em 2013.
“Este Botticelli é mais espetacular, em todos os sentidos, do que qualquer coisa que já vimos chegar ao mercado”, disse Apostle.
“Quando você olha uma tela como esta, que é tão excepcional, é preciso compará-la com outras obras-primas, pinturas de Picasso, Bacon ou Basquiat”, acrescentou.
Apesar de ter mais de 500 anos, a pintura foi preservada de forma imaculada e foi exibida em vários museus, como a National Gallery de Londres e o Metropolitan Museum de Nova York.
A última vez que mudou de mãos foi em 1982, quando um colecionador particular o comprou por US$ 1,3 milhão.
Apenas uma dúzia de pinturas de Botticelli sobrevivem, e os especialistas estimam que “Jovem segurando um medalhão” é tão significativa quanto duas outras obras do artista, “Retrato de homem com a medalha de Cosimo, o Velho” e “Retrato de Giuliano de Medici”.
O leilão da Sotheby’s também oferecia à venda uma das 136 pinturas bíblicas de Rembrandt, “Abraão e os Anjos”, com um preço de venda estimado de US$ 20 milhões a US$ 30 milhões. Mas, finalmente, a pintura foi retirada do leilão.
A obra estava em mãos privadas há 150 anos e foi vendida em um leilão pela última vez em 1848 por apenas 64 dólares.