Pianista Delia Fischer canta e toca músicas de Beto Guedes, Beatles, Björk, Flávio Venturini e Taiguara no álbum ‘Hoje’


♪ Balada composta por Guilherme Arantes que há 45 anos marcou o início da carreira solo do artista, ao ser cantada pelo autor em gravação propagada na trilha sonora da novela Anjo mau (TV Globo, 1976), Meu mundo e nada mais ganha a voz de Delia Fischer em registro feito com a adesão vocal do cantor e contrabaixista Matias Correa.
Meu mundo e nada mais é uma das nove músicas que compõem o repertório de Hoje, álbum que Delia põe na rede na sexta-feira, 21 de maio.
Pianista carioca revelada em 1988 como metade do Duo Fênix, década antes de ter se apresentado paulatinamente como cantora na discografia solo iniciada em 1999, Delia Fischer lança álbum de voz e piano.
Hoje é disco originado de série de lives em que a artista transitou por searas alheias. A canção-título Hoje, por exemplo, é composição da lavra de Taiguara (1945 – 1996) lançada pelo autor em 1969.
Capa do álbum ‘Hoje’, de Delia Fischer
Nando Chagas
Anunciado em janeiro com o single com abordagem da canção O amor é o meu país (Ivan Lins e Ronaldo Monteiro de Souza, 1970), o álbum Hoje foi formatado com produção musical orquestrada pela artista com o já mencionado Matias Correa, também responsável pela gravação e mixagem do disco.
Além das canções de Arantes, Ivan Lins e Taiguara, Delia Fischer dá voz no disco a duas músicas de compositores mineiros identificados com o Clube da Esquina. De Beto Guedes, a artista revira A página do relâmpago elétrico (1977), parceria com Ronaldo Bastos que deu título ao primeiro álbum solo de Guedes.
De Flávio Venturini, Delia Fischer se junta com Matias Correa para reviver Nascente, canção de Venturini com letra de Murilo Antunes apresentada na voz de Beto Guedes no mesmo álbum A página do relâmpago elétrico.
Entre os temas autorais Blues de acabar (Delia Fischer e Marcio Moreira) – música inédita gravada pela artista em dueto com Ney Matogrosso – e Tempo de amar (Delia Fischer e Ronaldo Bastos a partir de poema de Carlos Drummond de Andrade, 2017), a pianista cantora aborda músicas de Beatles, In my life (John Lennon e Paul McCartney, 1965), e Björk, cantora islandesa de quem Delia Fischer regrava Jóga, parceria de Björk com o escritor Sigurjón Birgir Sigurðsson.