Petra Costa pode se tornar 1ª brasileira a ganhar Oscar, com ‘Democracia em Vertigem’

G1 viu os 4 documentários que concorrem com a diretora mineira e explica chances de cada um deles. Veja entrevista com a cineasta e histórico brasileiro na premiação. ‘Democracia em Vertigem’ no Oscar: documentário brasileiro tem chances de ganhar?
Quais as chances de “Democracia em vertigem” ganhar o primeiro Oscar do Brasil? São poucas, mas ter sido indicado como Melhor Documentário “já é uma grande vitória”, avaliou a diretora Petra Costa.
A premiação é neste domingo (9) e o G1 transmite o Oscar ao vivo e na íntegra.
No vídeo acima, o G1 analisa as chances e os temas dos cinco documentários indicados. No podcast abaixo, entenda como a trilha de “Democracia em vertigem” foi criada.
Levando em conta as premiações que são termômetros do Oscar, não vai ser agora que o cinema brasileiro vai ganhar a estatueta pela primeira vez.
O grande favorito se chama “Indústria Americana” e mostra os problemas enfrentados por um bilionário chinês que resolveu abrir uma fábrica em Ohio, nos Estados Unidos.
O casal americano Steven Bognar e Julia Reichert, já indicado ao Oscar, ganhou o prêmio do Sindicato dos Diretores (Melhor Direção em Documentário).
“Honeyland”, também indicado a Melhor Filme Internacional, e duas produções sobre a Guerra na Síria (“For Sama” e “The Cave”) completam a lista.
Mais um quase do Brasil?
Oficialmente, o Brasil nunca ganhou o Oscar. O país já foi quatro vezes indicado ao Oscar de Melhor Filme em Língua estrangeira (“Central do Brasil”, “O pagador de promessas”, “O quatrilho” e “O que é isso, companheiro?”) e uma vez a melhor animação (“O menino e o mundo”).
As 6 vezes em que o Brasil chegou mais perto do Oscar
Já teve Brasil também em Melhor Curta (“Uma história de futebol”), Documentário (“Raoni”, “Lixo extraordinário” e “O Sal da Terra”) e canção original (“Real in Rio”, de Carlinhos Brown e Sérgio Mendes). “Cidade de Deus” teve quatro indicações, mas não levou.
“Orfeu Negro” venceu o Oscar de Filme Estrangeiro em 1950, mas foi inscrito pela França. Artista e figurinista, a australiana Luciana Arrighi nasceu no Rio, onde viveu até os dois anos. Ela venceu em 1993 com o prêmio de Melhor Direção de Arte por “Retorno a Howards End”.
“Democracia em Vertigem” é o candidato brasileiro ao Oscar de melhor documentário
Neste ano, o Brasil tem mais uma chance de sair da fila, com “Democracia em vertigem”. “Foi uma surpresa gigante. Eles fazem listas de previsão e já tinham abandonado o nosso filme, nenhuma lista de previsão mencionava mais o filme”, disse Petra (veja mais no vídeo acima).
“Eu estava me consolando com o fato de que não ia ser indicado, até que foi. Eu fiquei muito feliz e honrada. Eu prefiro tentar ficar sem muita expectativa.”
Initial plugin text