Pelo menos um em cada dez idosos bebe sem moderação


Homens, fumantes e usuários de maconha são os que apresentam comportamento de maior risco Consumo de álcool: os pesquisadores estimaram que 10.6% dos idosos bebem em excesso, até cinco drinques de uma vez só
Wikimedia Commons
De acordo com pesquisa realizada pela escola de medicina da NYU (New York University), cerca de 10% dos indivíduos acima de 65 anos bebem pesadamente, se expondo a uma série de doenças. O estudo, feito em parceria com o Center for Drug Use e publicado no “Journal of the American Geriatrics Society”, também mostrou que homens, fumantes e usuários de maconha são os que mais apresentam esse tipo de comportamento.
Beber sem moderação é ruim em todas as idades, mas as complicações são maiores na velhice, a começar pelo risco aumentado para quedas. Some-se a isso a presença de doenças crônicas e o uso de medicamentos. Ainda assim, são poucas as pesquisas sobre o tema. Para o médico Benjamin Han, autor do estudo e professor de geriatria e cuidados paliativos, “beber em grande quantidade, mesmo que episodicamente, pode ter um efeito negativo significativo para os mais velhos, por causa da interação com a medicação e o risco de exacerbar as enfermidades existentes”.
Os pesquisadores analisaram os dados de dez mil adultos acima dos 65 anos que participaram de levantamentos nacionais sobre saúde entre 2015 e 2017. O critério utilizado foi a prevalência de uso pesado de álcool numa só ocasião no mês anterior: o equivalente a cinco drinques para os homens e quatro para as mulheres. Os autores estimaram em 10.6% os idosos que beberam em excesso de uma tacada, o que representou um aumento em relação a estudos anteriores: entre 2005 e 2014, essa porcentagem ficava entre 7.7% e 9%.
A doença crônica mais comum entre os bebedores era a hipertensão (41,4%), seguida de cardiopatia (23.1%) e diabetes (17,7%). Esse é o tipo de achado que deve servir de alerta para os clínicos, porque o uso do álcool pode agravar o quadro. Os pesquisadores acreditam que boa parte dos idosos não tem uma noção precisa de que isso significa um risco maior em sua idade e ainda se depararam com o crescimento do consumo de bebida e maconha. “Essa é uma associação com implicações sérias”, afirmou o médico Joseph Palamar.