‘Palhaço brasileiro, sobrevivente e amoral’, diz Matheus Nachtergaele sobre Zé do Caixão


Ator e diretor faleceu aos 83 anos nesta quarta-feira (19). Veja VÍDEO em que Nachtergaele fala sobre José Mojica Marins. Matheus Nachtergaele fala sobre Zé do Caixão
Matheus Nachtergaele lamentou a morte de Zé do Caixão nesta quarta-feira (19), vítima de uma broncopneumonia. Veja vídeo acima enviado ao G1.
“Fui surpreendido com a notícia do falecimento do Mojica, nosso Zé do Caixão, e fiquei muito abalado porque tive a honra de interpretá-lo na série Zé do Caixão de Vitor Mafra”, disse o ator em vídeo.
O mestre do terror brasileiro dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes.
“Mojica se misturou com o Zé do Caixão assim como Charlie Chaplin se misturou com seu Carlitos. Não há ninguém que não saiba quem é o Zé do Caixão”.
“Palhaço brasileiro, sobrevivente e amoral. Repito o Mojica foi um homem que colocou os dois pés na jaca dessa vida. Que descanse em paz”, afirma.
Nachtergaele também pediu para que as pessoas revisitassem a obra do Zé do Caixão.
Matheus Nachtergaele interpreta Zé do Caixão
Divulgação / Space
Mestre do terror brasileiro
Filho dos artistas circenses Antonio André e Carmen Marins, José Mojica Marins nasceu no dia 13 de março de 1936, em São Paulo.
Mojica dirigiu 40 produções e atuou em mais de 50 filmes. Seu interesse pelo cinema de terror escatológico começou nos anos 1950, mas foi em 1964, com o filme “À meia-noite levarei sua alma”, que ganhou o apelido de Zé do Caixão.
Seu personagem mais famoso, o agente funerário sádico com roupas pretas, cartola, capa e unhas longas, ainda aparece em “Esta noite encarnarei no teu cadáver” (1967), “O estranho mundo de Zé do Caixão” (1968) e “Encarnação do demônio” (2008).
Zé do Caixão posa para foto no antigo parque de diversões Playcenter em São Paulo em 2001
Agliberto Lima/Estadão Conteúdo