País terá inverno quente e epidemia da dengue será prolongada

Aedes aegypti se prolifera com tempo quente

Aedes aegypti se prolifera com tempo quente
Stephen Ausmus/U.S. Department of Agriculture

A atuação do fenômeno El Niño durante este inverno fará com que a estação registre temperaturas acima da média em boa parte do país, como já aconteceu no outono.

Com o calor, o mosquito Aedes aegypti continua a se reproduzir mais rapidamente, afirma o médico virologista Maurício Nogueira, professor da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, no interior de São Paulo, um dos epicentros da epidemia atual.

“Está tendo uma queda [do número de casos] menos acentuada do que o esperado para esta época do ano. As temperaturas médias mais altas criam um ambiente propício para a reprodução do mosquito.”

Nogueira acrescenta que o lado positivo é que parou de chover em alguns dos locais com maior incidência de doenças provocadas pelo Aedes aegypti.

“Entretanto é preciso lembrar que há piscinas, jardins e outros lugares que acumulam água parada. Mesmo que diminua a incidência, é o período de transmissão mais longo que temos. Começou no final do ano passado e continua até agora.” 

Leia também: ‘Segunda vez com dengue foi ainda pior’, relata aposentada

O médico epidemiologista Expedito Luna, do Instituto de Medicina Tropical da USP (Universidade de São Paulo), explica que “o frio faz com que o desenvolvimento do Aedes aegypti seja mais longo ou até que morra, se for muito frio”.

“O que se pode esperar com o tempo mais quente é que o ciclo de reprodução continue muito próximo ao do verão.”

Leia também: Está com dengue? Veja mitos e verdades sobre o tratamento

 

Mortes por dengue sobem 163%

 

Segundo o Ministério da Saúde, o número de “casos prováveis” de dengue, chikungunya e zika, ou seja, confirmados e não confirmados, cresceu 406% entre 1º de janeiro e 10 de junho, na comparação com o mesmo período de 2018.

Se considerados apenas os casos confirmados, foram 635,74 mil registros.  A grande maioria (596,3 mil) foi de dengue, que provocou 366 mortes.

Os óbitos decorrentes da dengue subiram 163% no período analisado, em relação a 2018.

Também cresceram os casos que o Ministério da Saúde classifica como “dengue grave”, de 323 para 710 (+120%); e de “dengue com sinais de alarme”, de 3.669 para 9.310 (+154%).


Juliana Chicon/Arte R7