Orquestras infantis argentinas fazem ensaios virtuais durante quarentena


Professores tiveram que reinventar suas aulas para lidar com a internet lenta e fazer com que as crianças tocassem juntas online. Marcela Sosa, de 12 anos, toca em uma orquestra infantil de Buenos Aires e tem participado de ensaios online por conta da pandemia
Agustin Marcarian/Reuters
Marcela Sosa tem sua própria fuga do tédio do isolamento por coronavírus na pequena casa de Buenos Aires que a menina de 12 anos compartilha com outras seis pessoas: seu violino e um computador conectado que permite que integrantes de sua orquestra juvenil toquem juntos online.
A capital da Argentina e arredores estão sob confinamento desde 20 de março, um dos mais longos do mundo, com rígidas restrições aos movimentos e reuniões para tentar limitar a propagação do vírus. Mas as infecções por coronavírus aumentaram nas últimas semanas, agora ultrapassando 175 mil em todo o país.
“Estou sempre ansiosa para entrar no (aplicativo de bate-papo por vídeo) Zoom, ver meus colegas, meus professores e aprender coisas novas”, disse Sosa, que toca na orquestra de La Boca, uma das 13 que compõem um programa para crianças e jovens em Buenos Aires.
Cerca de 1.500 jovens de 6 a 19 anos, de áreas de baixa renda, participam do programa de música que existe há 22 anos.
Quando ocorreu a pandemia, os professores tiveram que reinventar suas aulas para lidar com a internet lenta e fazer com que as crianças tocassem juntas online.
Clarisa Orfila, professora de violino da orquestra infantil de Buenos Aires, ensina os alunos via Zoom durante a pandemia
Agustin Marcarian/Reuters
“Eles estão super conectados. Na verdade, eles aprendem mais, estão tocando melhor do que quando nos vimos”, disse Clarisa Orfila, professora de viola, acrescentando que a música se tornou um caminho para muitas crianças descontraírem.
As aulas usam música e vídeo para envolver as crianças e ajudar a criar um senso de comunidade em um momento de distanciamento social forçado, mesmo que algumas delas não tenham acomodações espaçosas.
“É complicado, porque você só pode usar os instrumentos de acordo com o espaço que você tem. Em outras palavras, para o contrabaixo você precisa de espaço para configurá-lo”, disse Juan Martín Alfonso, 12, que toca o instrumento. “Mas ainda é divertido estar em uma videoconferência.”
Ivan, de 12 anos, toca em uma orquestra infantil de Buenos Aires e tem estudado em casa durante a pandemia
Agustin Marcarian/Reuters
Semana Pop: como a pandemia afetou as produções de seriados médicos