O rei das lives: quem é Anselmo Troncoso, responsável pela transmissão de shows online


Ao G1, diretor artístico fala sobre os pontos positivos das apresentações virtuais e aposta em vida longa para elas. ‘É um caminho sem volta.’ Anselmo Troncoso durante transmissão da live Cachaça e Cabaré 2
Divulgação
É bem provável que o nome de Gusttavo Lima seja o primeiro a aparecer na sua cabeça quando o assunto é a era das lives. O cantor puxou a fila da onda dos shows virtuais, iniciada em março de 2020, logo no início do isolamento por conta da pandemia de coronavírus.
Mas por trás da apresentação histórica do cantor sertanejo, há um outro nome: Anselmo Troncoso.
O diretor artístico foi o responsável por comandar a apresentação virtual de Gusttavo e varias outras que vieram na sequência. Estão na extensa lista de Anselmo as lives de Marília Mendonça, Luan Santana, Jorge e Mateus, Bruno e Marrone, e muitas mais.
Foi sob a batuta dele também que aconteceu a maioria dos shows online nessa segunda onda de lives, que teve início há pouco mais de um mês.
Lives de volta? Após período de baixa, busca por transmissões musicais volta a subir
Em 2020, em uma conversa com Gusttavo, com quem tem amizade “desde quando ele não era um artista consagrado”, Anselmo sugeriu uma live “mais profissional”. Queria ir além das que alguns artistas, até então, estavam fazendo via redes sociais.
“A grande preocupação era a quantidade de pessoas, porque a gente estava no início da pandemia”, relembra Anselmo em entrevista ao G1.
“Naquele início de pandemia, a gente conseguiu operacionalizar isso de uma forma muito bacana, com uma quantidade mínima de pessoas. Da equipe nossa, para você ter uma ideia, eram seis pessoas trabalhando lá. E deu aquele resultado, que superou a live da Beyoncé em termos musicais no YouTube.”
“A Beyoncé tinha cerca de 480 mil acessos simultâneos, e a live do Gusttavo a gente atingiu 754 mil acessos simultâneos”, recorda Anselmo. O sucesso na transmissão chamou a atenção de muitos.
“O vice-presidente do Youtube Mundo quis me conhecer porque eles tiveram resultados incríveis e quando falei pra ele que na [live] do Gusttavo a gente usou seis pessoas, ele ficou espantado. ‘Really?'”, relembra o diretor artístico.
Anselmo Troncoso em live com Marília Mendonça
Divulgação
“Ele contou que, na da Beyoncé, eles tiveram uma equipe gigantesca, de quase 800 pessoas.”
O representante da plataforma também questionou Anselmo sobre o valor gasto na transmissão. “Passei o número pra ele, que foi em torno de R$ 35 mil. Na época, dava uns US$ 6 mil. Ele falou: ‘Não estou acreditando’.”
“Esse fenômeno que acontece na internet é muito mais forte aqui no Brasil. Lá fora, esse tipo de situação não acontece. Foi o que falei para ele: ‘no Brasil, tudo é possível'”.
Mas quem é Anselmo Troncoso?
Com 45 anos de idade e 25 de carreira, Anselmo trabalha com lives desde 2006. A primeira transmissão nessa linha feito pelo diretor artístico aconteceu no Festival Caldas Country, que acontece anualmente em Caldas Novas.
Em seu currículo, Anselmo também tem transmissões de outros festivais, como o Villa Mix. Além disso, é o responsável pela produção de DVDs de artistas de diversos gêneros. Ferrugem, Harmonia do Samba, Aline Barros, Jorge e Mateus e Gusttavo Lima são alguns dos que já tiveram seus trabalhos assinados por ele.
Com a chegada da era das lives, Anselmo conseguiu expandir seus projetos, indo na contramão de muitas empresas de entretenimento, que estão sofrendo com a crise derivada da pausa gerada pela pandemia.
A crise do entretenimento na pandemia: 350 mil eventos adiados ou cancelados e R$ 90 bilhões ‘perdidos’
“Esse ano a gente triplicou o número de pessoas. É uma benção mesmo. Em época de pandemia, a gente expandiu.”
Live de Jorge e Mateus
Divulgação
“Hoje a gente consegue fazer até três lives por dia. Três artistas. A gente conseguiu ter uma expansão legal, conseguiu abrir o mercado”, diz Anselmo.
“Quando fiz a live do Gusttavo na casa dele, um amigo de Recife me mandou mensagem para agradecer e falar que o telefone dele voltou a tocar. Muitas das produtoras do Brasil tiveram essa situação.”
Para Anselmo, as lives unem artistas e patrocinadores. “Bruno & Marrone não dispensou a equipe, continuou com seus músicos, com toda a equipe técnica. Gusttavo, a mesma coisa. Você acaba percebendo também que tem a boa vontade do artista de tentar manter essa roda girando.”
Na opinião do diretor artístico, que começou a trabalhar com lives há mais de uma década, as apresentações online terão vida longa.
Ele se justifica citando dados de audiência dos festivais transmitidos por ele anos atrás. Em 2015, o Villa Mix atraia uma média de 150 mil pessoas na plataforma durante a transmissão. “É um caminho sem volta. A gente não vai ter tanta procura, tantos shows, mas ela vai continuar existindo.”
Anselmo Troncoso durante transmissão da Live de Bruno e Marrone em 1 de abril de 2021
Arquivo Pessoal
Semana Pop mostra os momentos em lives que saíram do controle