O cachorro que ajuda crianças com medo de agulha a se vacinarem


Goldendoodle de seis anos é parte de uma equipe de 14 cachorros de terapia, que acompanham pacientes e seus papais durante internação. O cachorro Ollie é parte da terapia de Tanner Rico, 16, paciente com câncer
REUTERS/Mike Blake
No hospital infantil de San Diego, na Califórnia, tem um membro especial: Ollie, um Goldendoodle (mistura de golden com poodle) de seis anos.
Na Califórnia, crianças de 5 a 11 anos já podem se vacinar contra a Covid-19, mas muitas morrem de medo de agulha. O cão ajuda crianças com medo e ansiedade a vencerem essa barreira e se vacinarem.
LEIA TAMBÉM:
Cachorro que ajudou a salvar 100 coalas de incêndios na Austrália ganha prêmio
Como um podcast fez um cientista se tornar doador de rim para aumentar ‘participação de negros em pesquisas’
Ele faz parte de uma equipe de 14 “cachorros de terapia”, treinados para atrair a atenção dos pequenos medrosos.
A expectativa de uma espetada fez Avery Smith, de 9 anos, chorar, mas então Ollie entrou e sentou-se aos pés dela. A mãe de Avery, Kelli Donahue, tirou uma foto dela com o cachorro e a irmã Olive, de 6 anos. O trauma passou rapidinho.
“Isso me ajudou porque eu nunca tomei uma vacina Covid antes e não sabia como era. Mas quando eu vi o cachorro, me acalmei”, disse Avery.
Cachorro de terapia
O programa de terapia canina voltou ao hospital infantil de San Diego, na Califórnia
REUTERS/Mike Blake
Antes da vacina, os cachorros já tinham um trabalho: levar um pouco de alegria a pacientes do hospital infantil, a maioria internado com câncer ou outras doenças que drenam a energia dos pacientes.
Às vezes, quem precisa de uma patinha canina são os pais das crianças. “Às vezes, um pai diz: ‘Ele está dormindo depois da cirurgia, mas posso fazer carinho no cachorro?’ Eles abraçam os doguinhos e se sentem melhor”, conta Kristin Gist, 75, dona do Ollie, voluntária do programa e ex-diretora do hospital.
Quando as restrições por conta da Covi-19 começaram, as mais de 20 mil visitas caninas aos hospitais foram interrompidas. Agora, elas voltaram a acontecer.
“Não tinha nada. Estava silencioso. As crianças estavam entediadas”, disse Carlos Delgado, porta-voz do hospital. “Então, graças a Deus, conseguimos começar a trazer o programa de volta. Mesmo uma visita de três minutos com um cachorro faz a diferença para o dia deles.”
VÍDEOS: Só boas notícias
Initial plugin text