Nasa usa ratos para estudar quais serão os impactos da vida no espaço

Nasa planeja enviar o homem à Lua novamente e pela primeira vez para Marte. Para entender como o corpo humano se comportará na microgravidade por um longo período de tempo, a agência espacial enviou ratos ao espaço 
*Estagiária do R7, sob supervisão de Pablo Marques

Não é a primeira vez que a Nasa envia animais para este tipo de estudo. Em 2014, a agência desenvolveu gaiolas especiais para abrigar os animais na ISS (Estação Espacial Internacional). O sistema de hardware para roedor já enviou mais de 10 experimentos para além da atmosfera

Leia também: Conheça 10 fatos incríveis sobre a foto histórica do buraco negro

Os ratos são escolhidos porque, segundo os cientistas, a biologia do animal é semelhante a do corpo humano. Assim é possível antecipar como os astronautas irão se adaptar em microgravidade por muitos meses e até anos

Leia também: Conheça os projetos de ‘moradias’ espaciais que a Nasa está testando

April Roca é a principal autora do estudo do comportamento dos ratos no espaço e diz que o “comportamento é uma representação notável de todo o organismo” e que os ratos são capazes de “informar a função cerebral e a saúde geral”

Leia também: Nasa vai enviar robôs voadores para ajudar astronautas em pesquisas

Os pesquisadores relatam que pelos resultados iniciais os ratos têm o mesmo comportamento na Terra ou no espaço na microgravidade

Leia também: Selfies fazem sucesso até entre os astronautas na órbita da Terra

O que significa que os
roedores praticaram as mesmas atividades que realizam aqui na Terra, como se
limpar, comer e interagir com outros da mesma espécie

Leia também: Nasa planeja a primeira missão tripulada para Marte em 2033

A análise comparativa feita pela Nasa teve duração de 37 dias. Os ratos foram filmados e o comportamento comparado com aqueles que ficaram na Terra 

Leia também: Cientistas descobrem tempestade solar que ocorreu há 2 mil anos

O tempo de vida dos camundongos varia de 2 a 7 anos, por isso o experimento foi considerado de longa duração. Durante a simulação de vida no espaço, as cobaias exploraram todo espaço disponível e apresentaram boa saúde

Leia também: Nasa descobre moléculas de água em movimento na superfície da Lua

O estudo também concluiu que as fêmeas jovens e mais velhas e os machos mais jovens foram mais ativos do que os ratos da mesma faixa etária que ficaram na Terra. Portanto, os pesquisadores concluíram que houve uma adaptação à microgravidade

Leia também: Veja o espetáculo da aurora boreal que ilumina o céu durante a noite