Na ONU, Michelle Bachelet critica ‘ataques contra defensores dos direitos humanos’ no Brasil


Alta-comissária para direitos humanos também alertou para ‘retrocessos significativos’ nas políticas de proteção ambiental. Alta-comissária de Direitos Humanos da ONU, Michelle Bachelet discursa em Genebra nesta quinta-feira (27)
Denis Balibouse/Reuters
A alta-comissária da Organização das Nações Unidas (ONU) para Direitos Humanos, Michelle Bachelet, criticou nesta quinta-feira (27) o que chamou de “ataques contra defensores de direitos humanos” no Brasil.
Em discurso em Genebra, na Suíça, a representante também alertou para “retrocessos significativos” nas políticas de proteção ambiental e de promoção dos direitos dos povos indígenas em território brasileiro.
“No Brasil, os ataques contra defensores dos direitos humanos, inclusive assassinatos — muitos deles contra líderes indígenas — ocorrem em um contexto de retrocessos significantes das políticas de proteção ao meio-ambiente e aos direitos dos povos indígenas”, declarou Bachelet.
“Há também cada vez mais tomadas de terras indígenas e de afrodescendentes, e esforços para deslegitimar o trabalho da sociedade civil e movimentos sociais”, acrescentou.
Consultado pelo G1, o Palácio do Planalto respondeu que não comenta a declaração de Bachelet.
Críticas aos EUA
Bachelet também mencionou os Estados Unidos como outro país que retrocedeu na área de proteção ambiental e citou os recursos hídricos norte-americanos.
“Poluentes não tratados agora podem ser despejados diretamente nas correntezas e rios, colocando em risco ecossistemas, água potável e a saúde humana”, afirmou.
A alta-comissária da ONU ainda alertou sobre as políticas migratórias dos Estados Unidos, que, segundo ela, “aumentam preocupações sobre os direitos humanos”.
“Reduzir o número de pessoas que tentam entrar no país não pode ser feito ignorando as proteções aos migrantes e requerentes de asilo. A situação das crianças detidas é uma preocupação particular.”