Músicas para descobrir em casa – ‘Acende o crepúsculo’ (Marina Lima e Antonio Cicero, 1985) com Gal Costa


Capa de ‘Bem bom’, álbum de 1985 em que Gal Costa lançou ‘Acende o crepúsculo’, rock de Marina Lima e Antonio Cicero
Milton Montenegro e Márcia Ramalho
♪ MÚSICAS PARA DESCOBRIR EM CASA – Acende o crepúsculo (Marina Lima e Antonio Cicero, 1985) com Gal Costa
♪ Quando Gal Costa apresentou o rock Acende o crepúsculo entre as 11 músicas do álbum Bem bom, em 1985, a cantora baiana se reconectou com a obra cosmopolita de Marina Lima, compositora de origem piauiense e alma carioca que havia sido lançada no mercado fonográfico há oito anos na voz da própria Gal.
Sim, coube a Gal a proeza de apresentar em disco, pela primeira vez, uma música de Marina Lima. Foi Meu doce amor, parceria de Marina com Duda Machado gravada por Gal em Caras e bocas (1977), álbum de vibe roqueira.
A história poderia ter sido diferente se Elis Regina (1945 – 1982) tivesse levado em consideração o entusiasmo com que o produtor Marco Mazzola lhe falava da então desconhecida Marina. Ou se a censura tivesse liberado a inclusão de Alma caiada (Marina Lima e Antonio Cicero, 1979) no álbum Pássaro proibido (1976), de Maria Bethânia.
O rock Acende o crepúsculo foi a segunda das três músicas de Marina gravada por Gal ao longo de 55 anos de carreira fonográfica (a terceira, Eu acredito, foi apresentada em 1990 no álbum Plural).
Parceria de Marina Lima com o irmão poeta Antonio Cicero, nunca incluída pela artista na própria discografia, Acende o crepúsculo é bom rock. Em 1985, Marina já vivia o início da fase áurea como cantora e produzia com tal intensidade que se deu ao luxo de nunca ter gravado Acende o crepúsculo (e, curiosamente, nenhuma das duas outras músicas lançadas por Gal).
Produzida e arranjada pelo tecladista Ricardo Cristaldi, a boa gravação de Gal resultou fiel ao espírito musical da década de 1980. A faixa tem teclados, mas o som das guitarras – a de Toni Costa e a solada por Rogério Meanda – se destacaram no arranjo.
Embora o coro (formado pelas vozes dos cantores Luna Messina, Márcio Lott, Mansa Fossa e Pedrão Baldanza) tenha soado dispensável na faixa, a gravação de Gal tem ar jovial em sintonia com a letra de Antonio Cicero, cujos versos finais fizeram trocadilho com a boate Crepúsculo de Cubatão (1984 – 1989), um dos pontos mais fervilhantes e de aura hype na noite carioca dos anos 1980.
Eco da contracultura da década de 1960, a voz cristalina de Gal sempre brilhou quando a cantora incursiona pelo universo do rock. Por isso, Gal soube acender a música de Marina Lima e Antonio Cicero que apresentou no álbum Bem bom. E que ficou esquecida nesse disco, inclusive pela própria Gal Costa, ainda que a cantora tenha cantado o rock no programa Cassino do Chacrinha, da TV Globo.
♪ Ficha técnica da Música para descobrir em casa 17 :
Título: Acende o crepúsculo
Compositores: Marina Lima e Antonio Cicero
Intérprete original: Gal Costa
Álbum da gravação original: Bem bom
Ano da gravação original: 1985
Regravações que merecem menções: A música Acende o crepúsculo nunca foi regravada.
♪ Eis a letra de Acende o crepúsculo :
“Em parte, a gente é arte
Em outra parte, técnica
Sou de carne e osso e eletrônica
Cara, me dá um sorriso
Que a vida é crise
Toma um came e case
Pega, chuta, muda
Que o amor é só roleta russa
Não existe regra nem exceção
Basta um certo estilo de improvisação
Cara, a vida é brisa
Me leva pro Japão
Ou nessa madrugada
Vem e barbariza
Acende o crepúsculo
De Cubatão”