Música com George Harrison e Ringo Starr é encontrada em sótão no Reino Unido


‘Radhe Shaam’ foi gravada em 1968, em Londres, com vocais do músico indiano Aashish Khan, Harrison na guitarra e Starr na bateria. Suresh Joshi ao lado de John Brahn e Ringo Starr, em 1968, em Liverpool
Museu dos Beatles de Liverpool/Divulgação via REUTERS
Uma canção inédita com os Beatles George Harrison e Ringo Starr foi revelada no Museu dos Beatles de Liverpool, nesta quarta-feira (10), após ter sido encontrada em um sótão no ano passado.
Escrita e produzida pelo jornalista e locutor Suresh Joshi, a canção “Radhe Shaam” foi gravada no Trident Studios de Londres, em 1968, com vocais do músico indiano Aashish Khan, Harrison na guitarra e Starr na bateria.
“Ninguém conseguia acreditar que era tão antiga”, disse Joshi à Reuters depois de tocar a gravação para uma plateia no museu da cidade natal dos Beatles.
“Foi um momento absolutamente maravilhoso e de alívio ao mesmo tempo em que o entreguei da minha maneira humilde.”
Joshi disse que estava gravando música com Khan para o filme “East Meets West” no Trident Studios quando Harrison entrou e eles começaram a conversar. Os Beatles estavam gravando “Hey Jude” na época.
John Lennon, Ringo Starr, Paul McCartney e George Harrison desembarcam no aeroporto John F. Kennedy Airport, em Nova York, EUA, onde são recebidos por multidão de fãs em fevereiro de 1964
AFP
Harrison e Starr mais tarde se ofereceram para tocar em sua faixa.
Joshi encontrou a gravação no ano passado, guardada entre outros pertences em seu sótão em casa, depois que um amigo, que o visitou durante o confinamento, ficou intrigado com suas histórias do passado. Ele então trabalhou com um produtor para restaurar a fita.
“Nós a resgatamos, montamos tudo, levamos quase um mês para trazê-la de volta à sua originalidade… e digitalizamos”, disse Joshi, acrescentando que a música seria lançada com todos os rendimentos indo para a caridade.
Em um comunicado à imprensa, Joshi descreveu a música de 53 anos como relevante na atualidade.
“A música em si gira em torno do conceito de que somos todos um, e que o mundo é nossa ostra — algo que todos nós percebemos durante esta pandemia”, disse ele.