Mulher de Carlos Ghosn volta ao Japão para ser ouvida pela Justiça


Ela havia deixado o país no último fim de semana, depois da nova detenção do marido, afirmando que “se sentiu em perigo”. Carlos Ghosn, acompanhado de sua esposa, Carole Ghosn, em imagem de março passado
Issei Kato/Reuters
Carole Ghosn, mulher de Carlos Ghosn, está de volta ao Japão, onde deve ser ouvida pela Justiça na investigação sobre as suspeitas de fraudes que teriam sido cometidas pelo ex-presidente da aliança Nissan-Renault-Mitsubishi – informou seu advogado, François Zimeray, nesta quarta-feira (10).
Ela havia deixado o Japão no último fim de semana, depois da recente detenção do marido, afirmando que “se sentiu em perigo”. Segundo diferentes jornais japoneses, porém, a Justiça queria interrogá-la.
Carole Ghosn “retornou ao Japão”, disse Zimeray à AFP. “É a prova de que ela nunca tentou fugir de ninguém”.
O advogado disse que ela seria interrogada como testemunha pelo escritório do promotor de Tóquio. “Era importante para ela estar lá e não fazer nada que pudesse prejudicar o marido”, acrescentou.
De acordo com a agência de notícias Kyodo, o escritório do promotor de Tóquio suspeita que somas de dinheiro desviado teriam passado por uma empresa administrada por ela.
Carlos Ghosn foi preso em 4 de abril em Tóquio por novas suspeitas de crimes financeiros, um mês depois de ser libertado sob fiança.
Sua mulher, que estava presente quando foi preso, disse que voltou para a França, apesar de seu passaporte libanês ter sido confiscado pela polícia japonesa. Carole disse que usou seu outro passaporte, americano.
Saiba quem é e qual a trajetória de Carlos Ghosn
Fernanda Garrafiel, Roberta Jaworski e Juliane Souza/G1