Ministro da Educação diz ser a favor da volta de aulas presenciais: ‘Não podemos achar que só se pega o vírus dentro da escola’


Declaração ocorreu durante entrega de ônibus escolares no Tocantins. Nesta terça-feira (9), o Brasil teve quase 70 mil novos diagnósticos e 1.954 mortes por Covid-19. Ministro da educação durante entrega de ônibus no Tocantins
Governo do Tocantins/Reprodução
Durante a entrega de ônibus escolares no Tocantins, na manhã desta quarta-feira (10), o ministro da educação Milton Ribeiro disse que é a favor de manter as escolas abertas observando os protocolos de biossegurança contra o coronavírus. Nesta terça-feira (9) o Brasil teve recorde no número de mortes e quase 70 mil novos diagnósticos de Covid-19.
“Naturalmente nós temos que ter maior cuidado com a questão da biossegurança, dos protocolos. Desde o início o meu discurso foi o seguinte: eu quero, sim, as escolas abertas, mas não a qualquer preço”, afirmou.
Saiba o que os estudos mais recentes dizem sobre volta às aulas, transmissão e gravidade da doença
Segundo o ministro, os governadores e prefeitos sabem como está a situação sanitária de cada região, mas o MEC enviou, no final do ano passado, mais de R$ 700 milhões para as escolas públicas se adequarem aos protocolos de segurança.
“Dinheiro que chegou lá na ponta, no CPF, como a gente diz, do diretor da escola, para que ele pudesse fazer pequenas reformas e também adquirisse EPIs, álcool em gel e pudesse administrar esse recurso com objetivo do retorno às aulas. Então, eu não sou a favor das classes fechadas, de maneira alguma, eu sou a favor do retorno à educação, observando os protocolos de biossegurança”, afirmou.
Segundo o ministro, não se pode pensar que o vírus está somente na escola. “Estamos preocupados sim com a saúde do nosso povo. Só não podemos achar que só se pega o vírus dentro da escola. Só não podemos achar que a escola é o lugar preferido do vírus atacar. Não é verdade. Temos que ter um cuidado a todos e com todos, mas observando que a falta de escola também traz um impacto muito ruim para o nosso povo”.
Apesar da declaração, o ministro não deu uma previsão de quando os professores serão vacinados. Disse que deverá se reunir com o ministro da saúde Eduardo Pazuello para pedir novamente que os servidores da educação sejam imunizados o mais breve possível. No Plano Nacional de Imunização (PNI), os professores ocupam a 15ª posição na ordem de vacinação.
Veja mais notícias da região no G1 Tocantins.