Ministra da Agricultura confirma devolução de 1,4 mil toneladas de frango pelo Reino Unido por problemas com salmonela

Tereza Cristina afirmou que a carne devolvida pode ser revendida para o mercado nacional se atender aos critérios sanitários brasileiros. A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, confirmou nesta quarta-feira (3) que o Reino Unido devolveu 16 contêineres de frango do Brasil em um intervalo de 15 meses por causa da presença da bactéria salmonela.
Além desses, outro contêiner foi devolvido por problema na temperatura da carne, totalizando cerca de 1,4 mil toneladas.
Salmonela: entenda o que é e como evitar
O caso foi relatado em reportagem publicada nesta quarta pelo site “Repórter Brasil” em parceria com o jornal britânico “The Guardian”, que afirmam que o frango foi vetado entre abril de 2017 e novembro de 2018 e acabou sendo revendido no mercado brasileiro.
Segundo a ministra, a decisão sobre o que é feito com o produto devolvido é do fornecedor e que o produto pode ser vendido no Brasil se atender aos critérios sanitários locais.
A reportagem informava que uma parte do frango brasileiro vetado nos portos britânicos foi exportada pelas duas maiores empresas brasileiras do setor: a BRF e a JBS, dona da Friboi e da Seara.
A BRF afirmou, por meio de nota, que “cumpre as normas e exigências de qualidade estabelecidas na legislação brasileira e as determinações do MAPA [Ministério da Agricultura], e baseia sua atuação nos compromissos de segurança, qualidade e integridade”.
O G1 também procurou a JBS na tarde desta quarta-feira, mas, até a última atualização desta reportagem, a empresa não havia respondido.
Tereza confirmou que o nível de salmonela, nos produtos devolvidos por essa razão, estava acima dos permitidos pelo protocolo do Reino Unido. As normas da União Europeia de controle da salmonela são mais rígidas do que as brasileiras (leia mais aqui).
Tereza destacou que a presença de salmonela não coloca em risco a saúde do consumidor porque a bactéria morre se o frango for cozido, frito ou assado. “Se você cozinhar, fritar ou assar não tem problema nenhum. As salmonelas existem, não tem problema nenhum. É um desserviço”, disse.
A ministra afirmou ainda que o produto devolvido é uma parcela muito pequena e que nenhuma empresa colocaria em risco a sua marca para vender 1,4 mil toneladas de frango se a carne não tivesse qualidade. Maior exportador da carne no mundo, o Brasil envia, em média, 337 mil toneladas de frango por mês para o exterior.
No entanto, em fevereiro deste ano, a BRF decidiu convocar um recall de 164,7 toneladas de frango da Perdigão no Brasil, devido ao risco de contaminação por salmonela. Os produtos tinham sido comercializados em 13 estados.
Outras 299,6 toneladas que seriam exportadas também foram recolhidas por precaução, informou a empresa na época.