Ministério Público quer acompanhar integração de Messenger, Instagram e WhatsApp

Medida foi anunciada pelo presidente do Facebook, Mark Zuckerberg, mas não tem data para O Ministério Público do Distrito Federal abriu nesta segunda-feira (11) uma investigação para acompanhar as consequências aos titulares dos dados pessoais da integração de suas comunicações por meio das plataformas Facebook Messenger, Instagram Direct e WhatsApp, segundo portaria de instauração da apuração obtida pela Reuters.
Blog do Altieres Rohr: Com integração, Facebook pode perder ainda mais controle sobre conteúdos
O procedimento administrativo foi aberto pelo promotor de Justiça Frederico Meinberg Ceroy após o presidente-executivo do Facebook, Mark Zuckerberg, dizer, na última quarta (6), que a empresa planeja integrar as três plataformas de comunicação.
O executivo não deu uma data para que isso aconteça.
O representante do MP, que coordena a Unidade Especial de Proteção de Dados de Inteligência Artificial (Espec), pretende acompanhar esse processo e verificar se ele está de acordo com as normas brasileiras de proteção de dados.
Após a autuação, o MP vai notificar o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) informando a instauração do procedimento administrativo.
Lei de proteção de dados no Brasil só entrará em vigor em 2020
Zuckerberg confirma integração de Whatsapp, Messenger e Instagram Direct