Ministério do Meio Ambiente demite principais autoridades de combate à mudança climática

Postos estão vagos em um momento no qual o país está sob os holofotes por causa dos gases de efeito estufa liberados pela devastação da Floresta Amazônica O Ministério do Meio Ambiente demitiu duas autoridades de alto escalão que atuavam no combate às mudanças climáticas, deixando os postos vagos em um momento no qual o país está sob os holofotes por causa dos gases de efeito estufa liberados pela devastação da Floresta Amazônica.
Áreas sob alerta de desmatamento na Amazônia batem recorde em janeiro, aponta Inpe
Terra indígena onde antropólogo foi detido ao tentar barrar Ibama teve recorde de desmatamento em 2019, aponta levantamento
As demissões do diretor encarregado do combate à mudança climática e de seu vice foram anunciadas no Diário Oficial da União na quarta-feira (26).
O ministério disse à Reuters em um comunicado que “as substituições na Secretaria de Relações Internacionais visam dar nova dinâmica para a agenda de adaptação às mudanças climáticas da pasta”, sem dar detalhes. Quando indagado se os novos ocupantes dos cargos já foram anunciados, o porta-voz respondeu: “Ainda não. Serão anunciados oportunamente”.
O governo do presidente Jair Bolsonaro já havia reduzido a ênfase na mudança climática dentro do ministério, transformando um cargo de nível de secretário para a mudança climática em uma diretoria.
Bolsonaro também nomeou autoridades graduadas que questionam a ciência por trás da mudança climática. O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, a classificou como uma conspiração marxista, e o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, disse não ter certeza de que o aquecimento global é causado pelo homem.
‘Não somos vilões de nada’, diz ministro Ricardo Salles na COP 25, em Madri
“É chocante, mas nada surpreendente”, disse Claudio Angelo, porta-voz do Observatório do Clima. “Não existe política climática federal sendo formulada ou implementada no Brasil de Bolsonaro, o que nos diz muito sobre o quão seriamente este governo encara o Acordo de Paris.”
Uma pessoa próxima do ministério, que pediu anonimato para falar livremente, disse que não existem mais funcionários atribuídos à diretoria que supervisiona o combate à mudança climática, já que por ora os postos continuam desocupados.
As demissões ocorrem após uma cúpula sobre a mudança climática na Organização das Nações Unidas (ONU) em dezembro que foi tensa para a delegação brasileira.
COP 25: 5 pontos positivos e 5 pontos negativos da participação do Brasil no evento, segundo especialistas
Fontes disseram à Reuters que Salles deixou negociadores climáticos de alto escalão no escuro a respeito das metas do governo nas conversas e descreveu desavenças internas entre autoridades da pasta do Meio Ambiente e do Itamaraty.
Líderes estrangeiros e ambientalistas criticaram as diretrizes do governo Bolsonaro no ano passado, quando o desmatamento e os incêndios na Floresta Amazônica aumentaram, argumentando que a retórica do presidente estimulou madeireiros, fazendeiros e grileiros.
As polêmicas do Ministério do Meio Ambiente de Ricardo Salles